terça-feira, 31 de outubro de 2017

A loucura da idolatria.

Resultado de imagem para a loucura da idolatria

texto básico: Isaías 44.1-28
versículo-chave: Isaías 44.6
“Eu sou o primeiro e eu sou o último, e além de mim não há Deus”
alvo da lição:
Mostrar a loucura da idolatria: “Recusaram-se a crer nela (na Verdade) e a ama-lá, e a deixar que ela os salvasse; portanto, Deus permitirá que eles creiam de todo o coração nestas mentiras” (2Ts 2.10-11 – A Bíblia Viva).
leia a Bíblia diariamente:
seg Is 40.12-20
ter Is 40.21-31
qua Dt 33.25-29
qui Jr 10.1-16
sex Is 45.19-25
sáb Is 46.1-11
dom Sl 135.1-21
A menção da Babilônia, no capítulo 39 de Isaías, leva o profeta a um futuro mais distante, e a partir do capítulo 40 ele começa a tratar do exílio que Israel sofrerá naquele país. Deus, o único Criador (Is 40.25-28), levantará um conquistador militar (Is 41.2-5) que libertará Seu povo (Is 41.15-16).
Mas Isaías percebe um problema maior que o cativeiro político: no exílio, Israel entrará em contato com o mundo das nações pagãs, idólatras (Is 40.19-20; 41.7). Como vai reagir? Será seduzido pela lógica da história? “Se Babilônia venceu Jerusalém, logo Bel (o deus da Babilônia) é mais forte que o Senhor. Está na hora de mudar de religião. Precisamos de uma fé que funciona mesmo, de um deus vencedor. Vamos seguir Bel”.
O capítulo 44 segue um esboço simétrico, um tipo de estrutura bastante comum na poesia hebraica:
Isaías 44
v. 1-5 O Deus que vai fazer
v. 6-8 O único Deus real
v. 9-20 A loucura da idolatria
v. 21-23 O único Deus real
v. 24-28 O que Deus vai fazer

I. O derramamento do Espírito (Is 44.1-5)

 1. Os três nomes de Israel (Is 44.1-2)

Nesse apelo inicial, Deus usa três nomes diferentes para chamar a atenção do Seu povo, nomes que podem se aplicar a nós também:
a. Jacó – fala da nossa condição natural como pecadores. Significa “enganador, aquele que pega no pé” (Gn 25.36), foi o nome que recebeu quando nasceu (Gn 25.26). Aqui, Deus acabou de falar do pecado do povo (Is 43.22-28).
b. Israel – fala também do perdão (Is 43.25). Quando Jacó nasceu, Deus, na Sua graça, já o escolheu para ser portador da bênção de Abraão (Gn 25.23; Rm 9.11-12). Note como Deus aqui duas vezes lembra a realidade dessa escolha, a qual transformou Jacó em Israel, “lutador com Deus” (Gn 32.28), abençoado por Deus (Gn 35.9‑12). Esse nome, então, fala da nossa condição de escolhidos por Deus, alvos da Sua graça.
c. Jesurum – o terceiro nome é muito especial, é traduzido “amado” na versão atualizada, mas o nome é ligado com a palavra hebraica “reto”. Aparece também em Deuteronômio 33.5,26, e fala da nossa condição ideal, já visível a Deus, de como seremos quando Ele tiver levado a bom termo a obra da nossa salvação.
Isaías para hoje
Desgraça, graça e glória: Deus sabe a nossa história!

2. A promessa do Espírito (Is 44.3-5)

 Nessa profecia de Pentecostes, notemos três pontos.
a. A situação anterior era de sede e seca (Is 44.3) – lembramos como os discípulos “perseveravam unânimes em oração” (At 1.14); e como, também, os grandes avivamentos que têm despertado a igreja ao longo da sua história sempre vêm precedidos por movimentos de oração.
b. A água é figura muito comum do Espírito na Bíblia – fala de vida, satisfação de sede, e também de purificação. A abundância da bênção é frisada pela repetição do verbo “derramarei”: superabundância, até, pois quem tem sede só quer um copinho, não uma inundação!
c. A consequência da vinda do Espírito é crescimento (Is 44.4) e expansão (Is 44.5) – o versículo 5 parece profetizar a entrada de gentios na igreja, pois os judeus não iam fazer tanto caso de usar o nome de Israel (cf. Is 55.5; 65.1; Ef 2.11-12,19).
Isaías para hoje
Sede, satisfação, transbordamento: qual descreve você? Se for genuíno, qualquer um desses sentimentos é melhor que a indiferença.

II. O único Deus real (Is 44.6-8)

 A lista de nomes divinos no começo do versículo 6 nos faz sentir a seriedade dessa proclamação majestosa. Aqui se encontram alguns dos temas centrais desta parte do livro de Isaías.

1. Não há outro Deus

Deus é o único, eterno, o primeiro e o último (Is 44.6; 41.4; 48.12). “Não há outro” é o grande tema do capítulo seguinte (Is 45.5-6,14,18,21‑22). O grande pecado da Babilônia era considerar-se como Deus: veja a linguagem que ela usa (Is 47.8,10). Só Ele é a Rocha; os ídolos são areia movediça.

2. Só Deus declara o futuro

Os babilônios confiavam muito na astrologia para predizer o futuro: eram adeptos do horóscopo mensal (Is 47.13). Isaías trata com desprezo essa praxe (Is 41.22-27; 43.9;48.14), mostrando que cabe somente a Deus conhecer o futuro. Pois Ele é quem o determina (Is 42.9; 46.10; 48.3-6). E ele escreveu cem anos antes do exílio!

3. “Vós sois as minhas testemunhas” (Is 44.8)

Quem tem o privilégio de conhecer o único Deus tem também a responsabilidade de proclamá-Lo (Is 43.10-12). Essa é a lógica de Paulo em Romanos 10.11-14.

III. A loucura da idolatria (Is 44.9-20)

À luz dessa visão da realidade de Deus, estamos prontos a entender a idolatria.

1. Não prestam, nem ídolos nem idólatras (Is 44. 9-11)

A colocação inicial é bem taxativa: ídolos são “de nenhum préstimo”. Samuel já advertiu: “Não vos desvieis; pois seguiríeis coisas vãs, que nada aproveitam e tampouco vos podem livrar, porque vaidade são”(1Sm 12.21).
Jeremias condenou: “O meu povo trocou a sua Glória por aquilo que é de nenhum proveito” ( Jr 2.11). Habacuque pergunta: “Que aproveita o ídolo, visto que o seu artífice o esculpiu?” (Hc 2.18). E Paulo conclui: “Sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo” (1Co 8.4). Pior ainda: os adeptos dos ídolos são iguais aos próprios ídolos (Sl 135.18). Veja a alternação no versículo 9 entre “eles” (os idólatras) e “elas” (as imagens). Nas coisas do mundo, diz-se que a união faz a força; mas a união na idolatria apenas produz a união na derrota vergonhosa (Is 44.11).

2. As ironias da idolatria (Is 44.12-14)

Como se pode buscar num ídolo que é forjado por um homem fraco (Is 44.12)? Como se pode admirar a beleza de um ídolo – desenhado por um artista, à semelhança de um homem (Is 44.13)? Deus fez o homem à Sua imagem, mas agora a ordem se inverte! E não só o desenho, mas também a matéria-prima, está à mercê do homem (Is 44.14).
3. Lenha ou libertador? (Is 44.15-20)
A ironia se intensifica agora. O mesmo homem usa o mesmo pedaço de madeira para dois fins totalmente contrários: como é que pode?! E ainda diz: “contemplo a luz” (Is 44.16) quando está nas trevas! O deus é feito “do resto” (Is 44.17), do que sobrou do forno!
“Tu és o meu Deus” (Is 44.17) quer dizer “Tu és o Deus que pertence a mim”? Não deve significar “Tu és o Deus a quem pertenço” (At 27.23)?

4. O porquê da idolatria

Como explicar um comportamento tão estúpido, que troca os pastos verdejantes de Deus pelas cinzas de um campo queimado (Is 44.20)? Só pode haver uma razão: o ser humano precisa de Deus. Se não conhece ou não quer o Deus verdadeiro, fatalmente buscará um deus falso. Nesse capítulo se percebem três necessidades fundamentais que levam o homem a buscar um deus.
a. “Livra-me” (Is 44.17) – precisa de alguém que o livre de suas angústias, resolva os seus problemas, lhe dê segurança.
b. e se prostra diante dele,… e se “ajoelha” (Is 44.15) – precisa de algo maior, que lhe dê uma razão de viver, uma causa à qual se possa dedicar.
c. “Que esse anuncie as coisas futuras!” (Is 44.7): precisa de orientação face ao desconhecido, para acertar nas decisões que tem de tomar.
Hoje, enfrentamos a mesma tentação que Israel enfrentava no cativeiro. Às vezes parece que a nossa fé no Senhor não faz diferença, e começamos a buscar um outro deus. O nosso ídolo pode não ser uma imagem esculpida. Para alguns, é o dinheiro que resolve; para outros, o poder político: “Ah, eu conheço um vereador que pode dar um jeito nisso”. Outros ficam cativados com o poder da ciência, ou com a beleza das artes, e buscam na fama dessas coisas a sua satisfação ou razão de viver. E quantos não dão uma olhada no horóscopo publicado no jornal, “só para pegar uma dica”.
Isaías para hoje
Segurança, satisfação, sabedoria: será que reconhecemos, de verdade, que sem o Senhor nunca as encontraremos?

IV. Os planos de Deus se cumprirão (Is 44.24-28)

 Podemos ter plena certeza disso. Por quê? Nosso Deus (Is 44.24) é o único Deus Criador (Is 44.24), que governa o universo. Nenhuma sabedoria ou encantamento humano pode resistir a Ele (Is 44.25).
E quais são os Seus planos? Restauração de Jerusalém, da terra (Is 44.26) e do templo (v.28), enfim restauração total. E Ele já sabe quem o fará (Is 44.28), e como (Is 44.27): Ciro, rei da Pérsia, tomou a cidade da Babilônia desviando as águas do rio Eufrates que passava pelo meio da cidade, e mandando seu exército entrar pelo leito seco do rio. E o mesmo Ciro logo deu as ordens para a reconstrução do templo (Ed 1.1-4).

Conclusão

Não um deus que nós formamos, mas Aquele que nos formou (Is 44.21). E não só nos formou, mas nos remiu, desfez os nossos pecados (Is 44.22). E ainda quer uma relação pessoal conosco (“torna-te para mim”, Is 44.22). Eis o motivo da alegria, eis a verdadeira razão de ser, de toda a criação (Is 44.23)!
Autor da lição: Rev. Glenn Thomas Every-Clayton
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica. Usado com permissão.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Ser presbiteriano é pertencer a uma igreja que é uma comunidade




Presbiterianos não querem que a igreja cresça a qualquer custo, mas almejam que as pessoas cresçam em bondade e misericórdia

João Calvino (1509-1564) era ainda criança quando Martinho Lutero (1483-1546) afixou as 95 teses à porta da Catedral de Wittenberg, em 1517. A conversão de Calvino ao protestantismo se deu somente em 1533, quando a Reforma Luterana já avançava para a sua segunda década de existência. Coube a esse francês bastante reservado, em 1536, apresentar a sistematização mais ampla e didática dos insights doutrinários de Martinho Lutero na obra intitulada Instituição da Religião Cristã. Refugiado em Genebra, ao lado de outros refugiados das perseguições movidas pela Igreja Católica Romana, João Calvino deu forma à doutrina e ao modo de organizar a igreja cristã reformada.


Wittenberg. Berço da Reforma e palco das comemorações dos 500 anos J Foto: Jamil Chade/Estadão

As igrejas presbiterianas são descendentes da Reforma da Igreja de Genebra, liderada por João Calvino. Entretanto, foi na Escócia que esse ramo reformado adotou a designação presbiteriana. O nome é proveniente do modo de tomar decisões e governar a igreja. Os membros da igreja elegem, dentre os próprios leigos, pelo voto direto, seus representantes para o Conselho da Igreja. As decisões administrativas, disciplinares e doutrinárias são tomadas por esse conselho de presbíteros. Daí serem chamadas de presbiterianas, ou seja, igrejas que são governadas não por bispos, mas pelos presbíteros. John Knox (1514-1572), um discípulo de João Calvino, foi o principal reformador da igreja na Escócia. Francis Makemie (1658-1708) levou o presbiterianismo para os Estados Unidos quando este ainda era uma colônia inglesa. Aliás, o único clérigo a assinar a Declaração da Independência dos EUA foi o pastor presbiteriano John Whiterspoon.

Em 1859 chegou ao Brasil o missionário presbiteriano Ashbel Green Simonton. A Primeira Igreja Presbiteriana no Brasil foi organizada no Rio de Janeiro, em 1862. Caberia à Alexander Blackford organizar, na cidade de São Paulo, em 1865, a Primeira Igreja Presbiteriana. Os missionários presbiterianos foram recebidos com entusiasmo pela elite intelectual brasileira, quase sempre em conflito com o obscurantismo da Igreja Romana da época.

Afinal, em que creem os presbiterianos? Como vivenciam sua fé? O que significa ser presbiteriano? Ser presbiteriano é pertencer a uma igreja que é uma comunidade. Os presbiterianos não são uma corporação religiosa, igreja composta apenas pelo clero, ou uma empresa religiosa, dirigida por “pastores-proprietários”, para atender as necessidades de consumidores religiosos. Presbiterianos não querem ser “a única igreja verdadeira” sobre a terra. Presbiterianos não querem que a igreja cresça a qualquer custo, mas almejam que as pessoas cresçam em bondade e misericórdia.

Presbiterianos lembram-se a cada dia do que Cristo disse: “...tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso e fostes ver-me” (Mt 25.35-36). Ser presbiteriano implica viver a fé cristã de forma madura e coerente. O presbiteriano não foge das complexidades da vida com respostas prontas. Menos ainda se vale o presbiteriano da infantilização por meio do cultivo do pensamento positivo, chavões e superstições, mascarada sob a designação imprecisa de fé. A fé presbiteriana possui um fundamento – Cristo. Antes e acima de tudo, trata-se de fé em Cristo, o Salvador.

* É pastor titular da Primeira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo e doutor em Sociologia.

Valdinei Aparecido Ferreira *, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2017 | 

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

O Uso da Sarça Como Símbolo da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB)


O Uso da Sarça Como Símbolo da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB)

O artigo da Wikipedia sobre a sarça ardente ("Burning bush") informa que ela se tornou um símbolo popular entre as igrejas reformadas desde que foi pela primeira vez adotada pelo huguenotes em 1583, em seu 12º sínodo nacional, na França. O lema então adotado, "Flagor non consumor" ("Sou queimado, mas não consumido") sugere que o símbolo foi entendido como uma referência à igreja sofredora que ainda assim sobrevive. Todavia, visto que o fogo é um sinal da presença de Deus, aquele que é um fogo consumidor (Hb 12.29), esse milagre parece apontar para um milagre maior: o Deus gracioso está com o seu povo da aliança e assim ele não é consumido. O atual símbolo da Igreja Reformada da França é a sarça ardente com a cruz huguenote.
A sarça ardente também é o símbolo da IP da Escócia (desde os anos 1690, com o lema "Nec tamen consumebatur" - E não se consumia), da IP da Irlanda (com o lema "Ardens sed virens" - Queimando mas florescendo), da IP do Canadá, da Austrália, da Nova Zelândia, de Taiwan, de Singapura, da Malásia, da IPB e das Igrejas Cristãs Reformadas da Holanda.







Antiga Sarça da IPB








 Sarça da IPB entre 1950 e 1998.







Sarça da IPB utilizada de 1998 a 2014.







Sarça adotada a partir de Julho de 2014 pela IPB.





retirado do site: http://revhelio.blogspot.com.br

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Qual é o país com mais ateus no mundo?

Resultado de imagem para respondendo aos ateus

É a Suécia. Lá, 85% da população não tem nenhuma crença ou não acredita em Deus.
Esse foi o resultado da pesquisa Ateísmo: Taxas e Padrões Contemporâneos, do sociólogo norte-americano Phil Zuckerman. Segundo ele, os suecos aprendem sobre cada uma das religiões na escola e são livres para escolher seguir ou não uma delas. E isso se repete na maioria dos países com alto índice de ateísmo. Vale lembrar que o estudo engloba ateus, agnósticos e não-crentes em Deus e o ranking é baseado na porcentagem populacional de cada país.
  • Enquanto os ateus negam a existência de Deus, os agnósticos garantem não ser possível provar a existência divina.
Crer ou não crer? - Os números da religião e do ateísmo no mundo
Suécia: 85%
  • População: 8,9 milhões
  • Ateus: 7,6 milhões
Vietnã: 81%
  • População: 82,6 milhões
  • Ateus: 66,9 milhões
O budismo e o taoísmo, religiões comuns por lá, são vistos como uma tradição, e não crença.
Dinamarca: 80%
  • População: 5,4 milhões
  • Ateus: 4,3 milhões
Um levantamento da ONU aponta que países com boa taxa de alfabetização tendem a ser mais descrentes.
Noruega: 72%
  • População:4,5 milhões
  • Ateus: 3,2 milhões
Japão: 65%
  • População: 127 milhões
  • Ateus:82 milhões
Em 2008, o pesquisador britânico Richard Lynn concluiu que países com alto QI são mais ateus. É o caso da população japonesa, que mantém a média 105 - uma das mais altas já registradas.
República Tcheca: 61%
  • População: 10 milhões
  • Ateus: 6,2 milhões
Finlândia: 60%
  • População: 5,2 milhões
  • Ateus: 3,1 milhões
França: 54%
  • População: 60,4 milhões
  • Ateus: 32,6 milhões
Coreia do Sul: 52%
  • População: 48,5 milhões
  • Ateus: 25,2 milhões
  1. Cristianismo: 33,3% ou 2 bilhões de pessoas (católicos: 16,8%; protestantes: 6%; ortodoxos: 4%; anglicanos: 1,2%)
  1. Outras: 23%
  1. Islamismo: 22,4% ou 1,2 bilhão de pessoas
  1. Hinduísmo: 13,7% ou 900 milhões de pessoas
  1. Budismo: 7,1%
  1. Sikhismo: 0,3%
  1. Judaísmo: 0,2%
  1. 18 e 34 anos - 54%
  1. 35 e 49 anos - 24%
  1. 50 a 64 anos - 15%
  1. 65 anos - 7%
  1. 181,8 milhões de chineses são ateus - A China ocupa o 36º lugar no ranking de países com mais percentual de ateus (14%). Em números absolutos, porém, é onde vivem mais pessoas sem crença.
  1. Japão: 82 milhões.
  1. Rússia: 69 milhões.
  1. Vietnã: 66 milhões.
  1. Alemanha: 40 milhões.
  1. França: 32 milhões.
  1. Eua: 26,8 milhões.
  1. Inglaterra: 26,5 milhões.
  1. Coreia do Sul: 25 milhões.
  1. Itália: 90% (53 milhões)
  1. Filipinas: 80% (75 milhões)
  1. México: 76% (96 milhões)
  1. Brasil: 73% (137 milhões)
  1. Homens: 56%
  1. Mulheres: 44%


Na ciência - 50% dos cientistas têm alguma religiosidade. Entre eles, 36% acreditam em Deus. Ateus: 10%. Cristãos: 2%.
Fontes: Pesquisas de Phil Zuckerman (2007), Richard Lynn (2008) e Elaine Howard Ecklund (2010), ONU, adherents.com, American ReligiousIdentification Survey, The Pew Research Center, Gallup Poll, The New York Times, Good, Nature, Live Science e Discovery Magazine.
Fonte: Revista Mundo Estranho

por Thais Sant’ Ana

terça-feira, 17 de outubro de 2017

LUTAS POR FORA TEMORES POR DENTRO.

 – Uma relação de dor, cansaço e graça na vida do apóstolo Paulo.



A imagem que muitas vezes nutrimos de um Paulo robusto, inabalável e totalmente destituído de conflitos emocionais cai por terra diante da sua Segunda Carta aos Coríntios. Em nenhuma das suas treze cartas as fraquezas do grande apóstolo são tão evidenciadas (e confessadas) quanto nessa. E ele sintetiza muito bem isso ao dizer que suas atribulações se traduziam em “lutas por fora” e “temores por dentro” (2Co 7.5).

No início da carta o apóstolo nos dá pistas de alguns dos graves perigos aos quais ele havia sido submetido – as “lutas por fora”. Somos informados que, na sua viagem de volta para a Ásia, Paulo e seus companheiros foram tomados por uma tribulação sobre-humana e desesperadora.
“Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos da própria vida” (2Co 1.8 – itálico meu).
A ideia no original grego para “acima das nossas forças” é a de alguém que está sendo pressionado acima da medida; além de sua capacidade. Comentando essa passagem, Calvino observa que “esta metáfora é tomada de uma pessoa que sucumbe sob a pressão de um fardo pesado ou de navios que afundam em razão de sua sobrecarga”[1] – uma metáfora bastante apropriada, diga-se de passagem, tendo em vista que Corinto era uma cidade portuária. Não sabemos ao certo a qual(is) evento(s) específico(s) Paulo está se referindo, mas é bastante provável que ele esteja aludindo à sua estadia em Éfeso, que foi bastante conturbada (At 19.23ss), apesar de Lucas não nos deixar essa impressão. No entanto, em passagens paralelas, Paulo nos informa, por exemplo, que lutou com “feras” em Éfeso[2] (1Co 15.32) e que “muitos adversários” se insurgiram para lhe fechar a “porta grande e oportuna” que Deus lhe havia aberto para a evangelização (1Co 16.9). Há fortes indícios de que esses “adversários” aos quais Paulo se refere tenham sido seus patrícios judeus. Relembrando aos presbíteros de Éfeso como havia sido a sua conduta e estadia naquela cidade, Paulo lhes lembra das provações que, “pelas ciladas dos judeus”, lhes sobrevieram (At 20.19). É provável que os judeus tenham sido os algozes de algumas das possíveis prisões que Paulo enfrentou durante seu trabalho em Éfeso, uma vez que ele inclui na sua lista de aflições as “muitas prisões” que havia enfrentado no seu ministério até àquele momento (2Co 11.23) [3]. Mas não foram somente essas as “lutas por fora” que o apóstolo aos gentios enfrentou. Respondendo àqueles que questionavam sua autoridade apostólica, Paulo apresenta-lhes suas credenciais, incluindo entre elas seus sofrimentos por amor ao evangelho:
“[...] em trabalhos muito mais; muito mais e prisões; em açoites, sem medida; em perigos de morte, muitas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar; em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigo entre falsos irmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias muitas vezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes; em frio e nudez” (2Co 11.23-27).
A tudo isso Paulo denomina de “coisas exteriores” (2Co 11.28). Paulo é tão enfático nessa questão que ele mesmo encarou todas aquelas tribulações como uma verdadeira “sentença de morte”, e brinda seu livramento delas como se fosse a sua própria ressurreição dentre os mortos, operada pelo Deus ressuscitador (2Co 1.9, 10). Calvino observa que, quando Paulo afirma que havia se desesperado da própria vida, ele “não está levando em conta o auxílio divino, e sim está nos dizendo que avaliava suas próprias condições, e não há dúvida de que toda força humana vacila ante o temor da morte”[4]. Paulo reconheceu a sua total incapacidade para superar toda aquela situação, e nada lhe restou senão a certeza de que iria sucumbir se Deus não lhe estendesse a mão. Ele chega à conclusão de que o propósito de tudo isso era para que ele não confiasse em si mesmo, e sim, em Deus (2Co 2.9), porque é na nossa fraqueza que o poder de Cristo é aperfeiçoado (cf. 2Co 12.9).

Essas “lutas por fora” eram acompanhadas de violentos “temores [phobias] por dentro”, que consumiam o sossego do apóstolo. Tudo indica que na sua viagem de volta para a província da Ásia, Paulo foi tomado de uma profunda depressão, e era exatamente a igreja corintiana que estava no cerne dela. A relação do apóstolo com essa igreja sempre foi muito difícil, porque ela era uma igreja muito problemática. Paulo havia enviado uma carta, “no meio de muitos sofrimentos e angústias de coração..., com muitas lágrimas” (2Co 2.4), por meio de Tito, seu colaborador. Essa carta está situada entre 1 e 2 Coríntios, e não foi preservada (não a temos). O objetivo de Paulo com essa carta “severa”, como muitos a chamam, era simplesmente para que os coríntios “conhecêsseis o amor que vos consagro em grande medida” (2 Co 2.4). Paulo esperava ansiosamente o relatório de Tito para saber que efeito a carta havia produzido sobre os coríntios, mas parece que Tito havia perdido o último barco rumo à Macedônia, sendo forçado a viajar por terra, desencontrando-se do apóstolo (cf. 2Co 2.12-13 e At 20.1-2). Isso serviu para aumentar ainda mais a apreensão de Paulo. “As coisas em Corinto iam tão mal, que Paulo estava ansioso com seus resultados, mais do que costumeiramente”[5]. O apóstolo mesmo nos diz que sua ansiedade era tanta que ele sequer conseguiu aproveitar a “porta” que o Senhor lhe tinha aberto para pregar o evangelho em Trôade (“não tive, contudo, tranqüilidade no meu espírito, porque não encontrei o meu irmão Tito”- 2Co 2.12, 13). Paulo nos fala que essa ansiedade foi causada pela sua extrema “preocupação com todas as igrejas”, que diariamente pesava sobre ele, “além das coisas exteriores” (2Co 11.28). Contudo, nada estava perdido. Da mesma forma como o “Deus que ressuscita os mortos” livrou o apóstolo das “sentenças de morte” (2Co 1.9 – as “lutas por fora”), esse mesmo Deus estava prestes a aliviar os “temores por dentro” do apóstolo que Ele mesmo comissionara, enviando-lhes Tito. A chegada de Tito foi tão confortadora para Paulo que ele chega a dizer que isso foi mais uma intervenção do “Deus que conforta os abatidos” (2Co 7.6). As notícias trazidas por Tito de Corinto reanimaram o apóstolo e fez com que ele recobrasse o seu ânimo ministerial. A mensagem contida na “carta severa” tinha surtido efeito na igreja corintiana. Paulo alegrou-se porque a carta havia entristecido os coríntios, mas não com uma “tristeza segundo o mundo”, que “produz morte”, e sim, com uma “tristeza segundo Deus”, que “produz arrependimento para a salvação” (2Co 7.10). A igreja de Corinto (ou pelo menos boa parte dela) havia, finalmente, aceitado a Paulo como um verdadeiro apóstolo de Cristo, ao contrário de muitos outros “falsos apóstolos” que se insurgiram contra ele e que estavam persuadindo a igreja corintiana a seguir suas práticas (2Co 11). Tito relatou a Paulo do “pranto”, da “saudade” e do “zelo” que os coríntios ainda nutriam por Paulo (2Co 7.7), e isso foi o suficiente para que grande parte dos “temores” do apóstolo se dissipasse.

O exemplo de Paulo é encorajador para o povo de Deus de todas as épocas. O mesmo Deus que assistiu o apóstolo nas suas fraquezas ainda é o mesmo, “ontem, hoje e eternamente” (cf. Hb 13.8). Infelizmente, às vezes encaramos os relatos bíblicos como abismos intransponíveis, com mais de dois mil anos de diâmetro, como se Deus não mais socorresse aqueles que Lhe pertencem. “Temores por fora e lutas por dentro” é a causa do desânimo de muitos pastores hoje em dia, desembocando por vezes até em desistência do ministério. Isso é agravado ainda mais quando os “oportunistas da fé”, muitos dos quais se autodenominam “apóstolos” e “profetas” hoje em dia, angariam sucesso, glória pessoal e prosperidade à custa de suas ovelhas, fazendo com que os números dos templos cheios (mesmo que para isso os bolsos das ovelhas se esvaziem) apontem o fracasso daqueles que teimam em permanecer fieis à Palavra e resistentes à sedução das estratégias de marketing como meio de alavancar seus ministérios. Para Paulo, tais pessoas não passam de “falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”, que se transformam em ministros de Cristo, mas que não passam de verdadeiros emissários de Satanás (2Co 11.13-15). Urge que pastores íntegros e dedicados à Palavra levantem suas vozes do púlpito contra essas coisas, protegendo suas ovelhas dos lobos, ainda que para isso eles tenham que se utilizar de “palavras severas”. Certamente, isso trará consigo “lutas por fora e temores por dentro”. Entretanto, é preciso crer que a graça de Cristo triunfará sobre a dor que os “espinhos” da vida (e do ministério) causam aos servos bons e fieis (2Co 12.7-10).

Soli Deo Gloria!

                                                                                                    http://opticareformata.blogspot.com.br
______________________________________________________________________
[1] Calvino, João. 2 Coríntios. Editora Fiel, 2008. Pág. 33.
[2] Não devemos entender “feras” no seu sentido literal, uma vez que a expressão que a antecede, “como homem”, significa “falar figuradamente”.
[3] Para mais detalhes, ver Bruce, F. F. Paulo, o apóstolo da graça – sua vida, cartas e teologia. Shedd Publicações, 2003. Pág. 289.
[4] Op. cit. Pág. 34.
[5] Calvino, João. Op. cit. Pág. 72.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

RECORD MOSTRA QUE PEDOFILIA NÃO É ARTE.


Reportagem do Domingo Espetacular foi um dos assuntos mais comentados do Twitter















Record mostra que pedofilia não é arte

A rede Globo exibiu na semana passada um longa matéria tentando taxar de intolerantes todos os que reclamaram nas redes sociais da indecência exibidas nas mostras Queermuseu (Porto Alegre) e MAM (São Paulo).

A exibição de imagens de pedofilia, zoofilia e o vídeo que mostrava uma criança tocando o corpo nu de um homem sob o título de arte deixou muitos brasileiros contrariados. Por isso, quando a Globo tentou justificar esses abusos, a hashtag #globolixo acabou entrando para os principais assuntos do Twitter no mundo.

Neste domingo, a rede Record abordou o assunto de uma maneira completamente diferente, mostrando estar em maior sintonia com o pensamento dos brasileiros.

A Reportagem da Semana, que tomou um bloco inteiro do Domingo Espetacular, ouviu especialistas e mostrou de maneira inequívoca que houve abuso infantil nos museus.

A diferença na abordagem fez com que a hashtag #ParabensRecord chegasse aos trending topics.

De forma mais clara que sua concorrente, a Record ouviu especialistas como a psicóloga Roseli Sayão e o escritor Leandro Narlock, que mostraram o ponto de vista dos conservadores, repudiando não as “manifestações artísticas” em si, mas o fato de crianças terem livre acesso a coisas que não possuem maturidade para discernir.

Ao longo dos mais de 15 minutos da matéria, a Record também expôs a hipocrisia do movimento de artistas denominado #342Artes, que tentou ao longo da semana fazer protestos do que consideram censura.

Ficou mais uma vez evidenciado que o grupo, liderado por Caetano Veloso, segue uma agenda política de esquerda, contrária aos valores familiares da maioria dos brasileiros. A matéria mostrou inclusive que Caetano aos 40 anos teve relações sexuais com uma menina de apenas 13 anos, crime previsto em lei no Brasil. O ato criminoso já prescreveu, mas mostrou por que Caetano se incomoda tanto com essa questão.

por Jarbas Aragão

https://noticias.gospelprime.com.br


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

ATIVISTAS JUDEUS CELEBRAM E PROMETE CONSTRUIR O TERCEIRO TEMPLO.



Cerimônia remete às tradições descritas no Livro de Levítico


Ativistas judeus celebram e prometem construir Terceiro Templo






Cerca de 500 judeus religiosos subiram junto à Esplanada das Mesquitas, ao lado do Monte do Templo durante a celebração de Sucot (Festa dos Tabernáculos) na semana passada. Eles se comprometeram publicamente a construir Terceiro Templo no local, de acordo com o Jerusalem Post.

Proibidos de subir ao monte do Tempo para fazer orações, o movimento este ano quebrou barreiras porque retomou a antiga prática da “libação da água”. A prática é feita desde os tempos do Antigo Testamento, sendo descrita em Levítico 23.

Durante séculos, nessa época do ano, no último dia de Sucot, o toque das trombetas convocava o povo. As pessoas se prostravam nas ruas e assistiam a marcha dos sacerdotes, que partiam do tanque de Siloé com uma vasilha de prata cheia de água. Rumavam com ela até o Templo e a derramavam no altar. Também faziam libações com vinho enquanto oravam pedindo as bênçãos de Deus e chuva sobre a terra.

Desde o ressurgimento de Israel, os judeus fazem um ritual diferente, que se limita ao bairro judeu da Cidade Velha de Jerusalém. Este foi o primeiro ano em que a cerimônia foi realizada tão perto do local mais sagrado do judaísmo.

Entre os louvores que cantaram durante a cerimônia, faziam promessas de reconstruir o templo judaico no local onde estão as mesquitas de Omar e Al-Aqsa: “O Templo será reconstruído. A cidade de Sião será restaurada. Vamos cantar uma nova música e subir [ao Templo]”.

O presidente do Instituto do Templo, o rabino Yisrael Ariel, que participou da marcha, disse que estava satisfeito com a disposição crescente dos israelenses em ver o templo restaurado.

“No passado, só se falava sobre o Muro das Lamentações, mas as pessoas presentes nesta cerimônia, sentem que o Muro é somente uma parada no caminho. O objetivo principal é o Templo. Pode levar tempo, mas é quase um fato agora e ninguém poderá detê-lo”.

Ariel também enfatizou que era importante que os judeus praticassem rituais religiosos junto ao monte do Templo para fortalecer a campanha de reconstrução. “É como uma guerra. Você não pode ir ao campo de batalha sem treinar seus soldados. Você deve ensinar-lhes a doutrina de combate ou então eles perderão a batalha. Sem aprender as regras do Templo, o halachot (leis judaicas), não poderíamos avançar”, assegura.


por Jarbas Aragão


https://noticias.gospelprime.com.br
Twitter Ads info and privacyDe acordo com a Associação de Organizações do Templo, cerca de 530 judeus visitaram o Monte do Templo no domingo (8). Para Ariel, isso evidencia o anseio das pessoas em reconstruir o Templo. “Durante o Sucot nos anos passados, três pessoas, talvez cinco, subiriam ao Monte do Templo. Hoje são mais de 500. É óbvio que algo está mudando”, finalizou.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

PADRE NAO CELEBRA CASAMENTO DE NOIVA SEM CALCINHA.




Padre Jonas Mourinho, 68 anos, responsável pela paróquia ‘Sagrada Família’ no Bairro do Vergel, localizado na periferia de Maceió em Alagoas, surpreendeu os 230 convidados de uma celebração de casamento religioso ao cancelar o evento devido à ausência de vestimenta íntima da noiva. Padre Jonas já não havia gostado de notar o imenso decote nas costas do vestido de noiva da professora Enislene Alcântara, de 25 anos. Imediatamente após sua chegada no altar, quando se colocou de frente para o noivo o padre percebeu que o decote traseiro da moça permitia ver o derrière absolutamente desnudo. 
Resultado de imagem para professora Enislene Alcântara, de 25


Neste instante o padre solicitou que a noiva acompanhasse uma ministra da eucaristia até a sala de sacristia para averiguação. A ministra confirmou a suspeita do padre e o informou sobre o veredito. Depois de comunicar aos pais dos nubentes a decisão, Padre Jonas foi até ao altar avisar aos convidados que o casamento não seria realizado, pois a noiva ‘não estava respeitando o altar sagrado’. Padre Jonas informou que é uma profanação a pessoa subir ao altar sem vestimentas íntimas. Ele ainda disse que a ministra da eucaristia havia notado que a noiva estava totalmente depilada na região pubiana, o que para o pároco é um flerte com a pedofília. Segundo Padre Jonas “os pêlos pubianos marcam a transição entre a infância e a vida adulta, portanto retirá-los seria realizar apelo pedófilo para a prática sexual”. A noiva confirmou que estava sem calcinha e disse que se o padre notou este detalhe é porque “ao invés de celebrar ele estava pensando em ‘taradice’ comigo”. O casal pretende agora celebrar o casamento em um terreiro de umbanda e assim homenagear a família do noivo que pratica esta religião. Padre Jonas deixou afixado na apostila do curso de noivas dois avisos: ‘noiva sem calcinha é satanás na cabecinha’ e ‘vagina careca é o diabo na boneca’. Assim ele espera não mais viver este tipo de constrangimento no altar. 




Fonte: bahiaemfocos.com




Entretenimento Moral

No livro  A Máfia dos Mendigos , o pastor Yago Martins aplica teorias e análises acadêmicas às observações e vivências decorren...