PODE O CRENTE DIVORCIAR E CASAR DE NOVO?


Mateus 19:3 a 12.

INTRODUÇÃO

Deus está permitindo ao homem ou a mulher divorciar-se e contrair um novo casamento? Deus aprova que alguém se case com uma pessoa divorciada?

Para tratar deste delicado e controvertido tema, creio ser necessário seguir uma certa ordem metodológica:

1- Analisar as passagens mais claras e que tratam diretamente o assunto e logo a seguir estudar aquelas mais difíceis e tentar compreender a luz dessas. A revelação no Antigo Testamento aparece gradual e progressivamente até chegar a Cristo, em quem está a revelação plena de Deus para todos os homens de todos os tempos. Por isso, é melhor abordar o assunto pelas passagens do Novo Testamento. Creio que o mais correto é começar pelas palavras de Jesus registradas nos evangelhos, para logo considerar as passagens do Antigo Testamento à luz dessas.

2- Enfocar primeiro a regra geral sobre o tema e logo abordar as exceções. Se tratarmos os casos de exceção sem primeiro ter estabelecido a regra, terminaríamos fazendo da exceção uma regra, desviando assim o ensinamento do Senhor.

I-O QUE JESUS DISSE SOBRE ESSE TEMA?

Para seguir a ordem proposta, consideremos as primeiras declarações de Jesus sobre o divórcio e o novo casamento, as que sem dúvidas são claras, completas e terminais. Trataremos primeiro a regra geral e logo a única exceção assinalada por Jesus e por Moisés.

Nos evangelhos são citadas quatro vezes as palavras de Jesus sobre este assunto:

1-Marcos 10.11 a 12.
2-Lucas 16.18.
3-Mateus 5.32.
4-Mateus 19.9.

Jesus estabelece algo sobre esta delicada questão uma regra geral e uma cláusula de exceção. A exceção à regra é: "a não ser por causa de fornicação"; ou "salvo por causa de fornicação".

Cabe destacar que nem Marcos nem Lucas incluem a cláusula de exceção; somente Mateus traz a cláusula nos dois textos citados.
II-O QUE JESUS ESTA QUERENDO ENSINAR?
1- Jesus disse que ele veio para cumprir a lei e não para destruí-la. Ele cumpriu a lei na sua morte e pregou-a na cruz. Mas até a morte dele, a lei ainda estava em vigor para os judeus. Quando os fariseus fizeram a sua pergunta sobre o divórcio, eles ainda estavam debaixo da lei. Portanto, tudo que Jesus falou sobre o assunto concordava com a lei que estava em vigor. De fato, é notável que Cristo intensificou a lei, dando o sentido verdadeiro dela. Mat. 5:27 e 28 explica que só o ato de cobiçar a mulher já é adultério.
2- A lei exigia a morte da parte infiel e então a parte fiel estaria livre para casar se de novo. Nós sabemos que ainda foram executados os infratores da lei no tempo de Jesus. Ver: João 8:1-11. Jesus não falou para os fariseus não apedrejarem a mulher pega em adultério, mas disse que aquele que não tivesse pecado jogasse a primeira pedra. Quando todos os deixaram, e Jesus estava a sós com a mulher, ele mostrou que ele como Deus sabia tudo sobre ela pois disse-lhe, vai-te, e não peques mais."


III - UMA BASE PSEUDA.
O versículo que muitos gostam de usar para provar a legalidade e o direito de casar de novo se o parceiro fosse infiel é Mat. 19: 9. Marcos, ao resumir este fato, não falou a frase: “não sendo por causa de prostituição?”. Pôr que será? Aparentemente a questão não é se a pessoa tem o direito ou não de casar de novo se o parceiro fosse infiel, mas se o casar de novo é adultério.
Lembramos que a lei exigia a morte de quem cometesse prostituição. É muito duvidoso que Jesus vai desviar-se do sentido original da lei. Esses fariseus conheciam muito bem a lei sobre esse assunto. Se o infrator fosse executado conforme a lei então o parceiro ficaria livre para casar de novo.
O assunto aqui é, se por qualquer outra razão se casasse, seria adultério. Sim, na época de Jesus Cristo ainda existia a pena de morte para adultério e Jesus não estava se retratando ou se desfazendo desta lei, mas somente mostrando aos fariseus que Ele concordava com a lei. Então, ele não somente respondia a pergunta dos fariseus, mas também intensificou a lei quando ele disse que Moisés permitiu o divórcio por causa da dureza dos corações, porém que no princípio não era assim.
No verso 10 do mesmo capítulo, os discípulos mostram que eles entenderam perfeitamente o que Jesus tinha dito, isto é, “Se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convêm casar." Mas Jesus disse no verso.11 que nem todos podiam receber esta palavra, e continuando no verso.12 ele explica que há vários tipos de eunucos: (a) os que nascem assim; (b) os que foram feitos assim pelos homens; (c) e outros ainda que por causa do reino de Deus se fizeram eunucos. Creio que a pessoa cujo parceiro for infiel deve considerar-se como um eunuco pelo reino de Deus, e que isto é o ensinamento de Jesus.


QUAL ERA A INTENÇÃO DA LEI EM DT 22.13-21 E DT 24.1-4
01. Advertir a todas as meninas e moças de Israel que mantivessem sua virgindade até o dia do seu casamento.
02. E se alguma moça havia pecado e perdido sua virgindade, sabendo dos riscos que corria, contasse antes de casar-se o seu verdadeiro estado ao seu pretendente (o mesmo deveria fazer o homem).
03. No caso em que a mulher estivesse em falta e ele não a quisesse como esposa teria uma opção pacífica para resolver o conflito sem necessidade de recorrer ao juízo público e a conseqüente pena de morte.


O MÍNIMO E O IDEAL

O ideal é que o marido ame sempre a sua esposa como Cristo amou a igreja.
O ideal é que a mulher sempre, com um Espírito manso e tranqüilo, respeite a seu marido e se sujeite a ele.
O mínimo que Deus exige é que sejamos fiéis ao nosso pacto matrimonial e que não cometemos adultério abandonando ao nosso cônjuge e contraindo um novo casamento.

CONCLUSÃO:

01. Divorciar-se e casar-se de novo é cometer adultério.
02. Casar-se com uma pessoa divorciada é cometer adultério.
03. Repudiar o seu cônjuge é expô-lo ao adultério.
04. O adultério de um dos dois, não libera o cônjuge inocente para casar-se com outro.
05. Se houver separação, ambos têm somente duas alternativas: ficarem sem casar ou reconciliarem-se.
06. Em um casamento misto, o cônjuge crente não deve tomar a iniciativa da separação.
O fato de que as leis de um país permitam o divórcio vincular não modificam em nada a situação dos cristãos, pois nós estamos debaixo do governo de Deus e de suas leis que permanecem para sempre.
com amor Rev. Márcio.

Comentários

  1. Caro Marcio, tudo na paz? Tava dando uma olhada no seu blog e vi esse post que fala de um assunto muito relevante e em alguns pontos polemicos, especialemente no que tange ao divorcio e novo casamento. Vou citar aqui o que diz a Confissão de Westminster, no cap. XXIV:
    V. O adultério ou fornicação cometida depois de um contrato, sendo descoberto antes do casamento, dá à parte inocente justo motivo de dissolver o contrato; no caso de adultério depois do casamento, à parte inocente é lícito propor divórcio, e depois de obter o divórcio casar com outrem, como se a parte infiel fosse morta.

    Ref. Mat, 1: 18-20, e 5:31-32, e 19:9.

    VI. Posto que a corrupção do homem seja tal que o incline a procurar argumentos a fim de indevidamente separar aqueles que Deus uniu em matrimônio, contudo só é causa suficiente para dissolver os laços do matrimônio o adultério ou uma deserção tão obstinada que não possa ser remediada nem pela Igreja nem pelo magistrado civil; para a dissolução do matrimônio é necessário haver um processo público e regular. não se devendo deixar ao arbítrio e discreção das partes o decidirem seu próprio caso.

    Ref. Mat. 19:6-8; I Cor. 7:15; Deut. 24:1-4; Esdras 10:3.

    Pessoalmente acho uma posição muito fechada a pessoa que sofreu o adultério nao poder se casar mais. Tenho dúvidas se essa é uma interpretação fiel. E mesmo assim, nao devemos entender o adultério ou um novo casamento como o pecado imperdoável.

    Augustus Nicodemus, no seu livro "A Bíblia e a Sua Família", no capítulo que fala sobre Divórcio e Novo Casamento, comenta o texto de 1 Co 7.15, mais ou menos assim: v.15: “não fica sujeito à servidão” – insistir no casamento se o descrente quer separar-se.
    “Deus vos tem chamado à paz” – o crente está livre para casar outra vez. Pois o cônjuge crente não sabia se o incrédulo se converteria ao insistir em algo que ele (incrédulo) não queria mais (v.16).

    Boa reflexão!

    Pr. Robson R. Santana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VALEU ROBSON PELAS SABIAS ´PALAVRAS, MAS VEJA O QUE PAULO DIZ EM ROMANOS 7:2 E 3.
      GRANDE ABRAÇO

      Excluir
  2. eu vejo que muitos pasrores i irmãos.que baseiam sua fé em teoçogias,tentam dar um jeitinho brasileiro quando o assunto é divorcio,Cristo não manisfestou legalidade nenhuma para um segundo casamento,estando vivos os que se divorciam,nem em caso de adultério..
    o marido e a mulher,é o exemplo central de Cristo com a igreja,o Marido suporta tudo,mas não O abandona,nem se divorcia dela...
    se Jesus não se divorcia da igreja e Ele é o nosso exemplo.que exemplo devo seguir..o de Cristo,,ou teologos que querem dar um jeitinho nna verdade de Deus???

    parabéns irmão,,foi sábio ao falar que o divorcio é pecado..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Divorcio,pecado,adultério,mass dos crentes qu vivem a falar qu se for da vontade d deus nois casa,e com isso ,pegam barias mulheres vivem um ou dois anos com elas,e acabam a deixa la sozinha,ee a troca estupidamente por outra mulher?que estilo de crente e esse ,por favor eu morei um ano com um rapaz crente qu depois qu saboreou a fruta não gostou,dai viagei,e com quinze dias eu liguei para saber como estava ele,e uma mulher me atendeu,e fui saber detalhes ela namorando e morando junto com ele,e ele é da assemblei de deus.me responda a isso por favor.

      Excluir
    2. essa pessoal foi desonesta com você, pelo simples fato de ir a igreja não pode ser considerada de crente, o verdadeiro cristão é aquele que busca seguir o principios de Jesus Cristo. Esse rapaz agiu de maneira leviana com vc e precisa se converte ao senhor Jesus de fato e de verdade, pois ele esta vivendo em adultério.

      Excluir
  3. o evangelho nos ensina....
    o beberrão deixa a bebida..
    o homossexual,,deixe seu amante
    a prostituta,deixe a prtostutição.
    o divorciado,deixe seu segundo conjugue..

    ResponderExcluir
  4. muito boa sua descriçaõ irmão pois moro com uma pessoa qui é divorciada e tinha uma grande duvida sobre esse assunto, e justamente porcausa desses qui distorcem a lei de Deus, mas ñ é nas palavras vãs dos homens qui devemos a creditar mas sim na palavra de Deus e agora com muita tristeza terei qui deixalo mas fazer a vontade de Deus é mas emportante para minha vida posso ñ ser perfeita mas ñ cansarei de tentar, amém fiquém todos na paz.

    ResponderExcluir
  5. complicado falar sobre esse assunto, mais Jesus é o diferencial em nossas vidas. Se fosse Jesus hoje analisando algumas situações creio que ele agiria diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele agiria da mesma forma caro Unknown foi a palavra de Deus nao muda nem tao pouco o Deus que a escreveu. Existe em Deus um atributo chamado de imutabilidade sendo assim ele nao poderia ir contra a sua propria palavra.

      Excluir
  6. Questão complicada, hoje estou passando por tal situação, mas não acredito que exista outro casamento com os cônjuges em vida, pois seria adultério. O ideal sim,é a reconciliação ou ficar só. É melhor q viver uma vida de adultério e ir para o inferno achando q ira para o céu. Peço que orem pelo meu matrimônio, pois a oração de um justo tem poder. Q Deus abençoe a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Ricardo, que o senhor Jesus tenha misericordia do seu casamento.

      Excluir
  7. Fui infiel no casamento,meu marido me deu divorcio,sendo assim,nunca mais posso ter mais ninguém?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é uma situaçao fácil nao, mas o projeto de Deus para o homem e para mulher é que ambos se perdoe e não tenha a divórcio, mas uma vez que isso aconteceu. É melhor esperar no senhor Jesus. Você bem sabe que toda açao tem uma reaçao. vc agiu de maneira desonesta com seu conjugue portanto o ficar sozinha é a consequencia do seu ato.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

EM PATOS PB: IPB VIROU FOGUEIRA EM NOITE DE SÃO JOÃO.

Grande Descoberta Arqueólogica, por Rabino Marcos Barreto