sábado, 17 de novembro de 2018

A posição da IPB sobre o comunismo.



image from google 
Em 1954, quando Getúlio Vargas era o Presidente do Brasil, A Igreja Presbiteriana do Brasil se pronunciou contra o comunismo da seguinte forma: SC-54-138 - Quanto à consulta do Presbitério do Botucatu sobre se um membro da IPB, com ideias francamente comunistas, pode tomar parte nos trabalhos da Igreja, como dirigir classe da Escola Dominical, etc., o SC resolve responder que há incompatibilidade entre o comunismo ateu e materialista e a doutrina bíblica e os símbolos de fé da IPB”.

Em 1956, a IPB teve que se posicionar sobre a atitude cristã quanto ao comunismo: “CE-56-096 - Quanto ao Documento Intitulado “Avaliação”, enviado pela CBM, a CE-SC/IPB resolve: [...] 7) Em referência à atitude cristã quanto ao comunismo, persistimos em pregar a realidade do poder transformador do evangelho de Cristo, crendo que o comunismo é uma filosofia de vida contrária ao espírito e à doutrina evangélica.

Em 1965, o assunto ainda fomentava nos presbitérios ao ponto de vermos que as consultas continuavam a ser encaminhadas à Comissão Executiva: “CE-65-081 - Presbitério de Castro - Consulta - Quanto ao Doc. 10 - Consulta do PCST sobre atitude a ser tomada por Presbitério quando tiver obreiro comunista e sobre a posição da IPB em face do mesmo assunto - a CE-SC/IPB resolve aprovar Doc. III nos seguintes termos: 1) Declara que a esta CE-SC/IPB não padece qualquer dúvida sobre a idoneidade moral dos Presbitérios para considerarem a situação sócio-político-doutrinária de seus obreiros; 2) Encaminhar ao SC a consulta sobre a posição da IPB em face do assunto.”

Então, em 1966, no Governo de Humberto Castelo Branco, o Supremo Concílio da IPB tomou posição contra o comunismo e seus adeptos, como segue: “SC-66-074 - Pbt. de Castro - Consulta - Doc. XXXIV- Quanto ao Doc. 26 Consulta do PCST sobre atitudes do Presbitério quando tiver obreiro comunista, o SC resolve: 1) Reafirmar ser indispensável a qualquer pessoa que deseja filiar-se à IPB, em especial aos seus oficiais e ministros, a aceitação da Palavra de Deus como única regra de fé e prática, e seus símbolos de fé. Quando qualquer prova se possa fazer contra membro ou membros da IPB de que já não mais aceitam a Palavra de Deus e seus símbolos de fé, por adotarem uma filosofia em choque com os princípios cristãos, no todo ou em parte, a mesma prova deve ser apresentada ao Conselho competente para os devidos fins; 2) Reafirmar a resolução da Assembléia Geral de 1936 que declara: ‘Compete ao cristão obedecer as autoridades legitimamente constituídas e realizar os deveres do cidadão, nunca devendo adotar qualquer ideologia que atente contra os princípios evangélicos da liberdade civil e de consciência e de ordem e paz sociais’”.

Em 1977, no governo de Ernesto Geisel, foi a vez da Organização Palavra de Vida flertar com o comunismo. Havia muitos jovens que participavam de seus eventos. A IPB se posicionou: “CE-77-007 - Atividade da Organização Palavra da Vida - Doc. XLIV - Quanto ao Doc. 40 - Informações do Sr. Presidente referente à Palavra da Vida. A Comissão Executiva do Supremo Concílio, considerando ser ambígua a doutrina implícita, sobre a compatibilidade ética do comunismo russo, marxista, com o cristianismo, esposado pela ‘Organização Palavra da Vida’ conforme publicação oficial feita no ‘Jornal Palavra da Vida’ em seus artigos ‘Eu chorei na Rússia’ e ‘Cristianismo na Rússia, uma existência inquieta’. Resolve: 1) Recomendar às Igrejas que, mediante doutrinação, aconselhem seus jovens e fiéis a não participarem das atividades da ‘Organização Palavra da Vida’; 2) Recomendar que os Presbitérios e as igrejas não encaminhem jovens nos cursos mantidos pela organização supra citada; 3) Encaminhar a presente resolução à Comissão Especial dos Seminários”.

Em 1990 foi produzida uma Pastoral de Ética Cristã Política que, entre outras coisas, recomenda: “Que se evite todo e qualquer apoio a candidatos reconhecidamente descompromissados com os ideais de democracia, justiça e paz propugnados pela nossa Igreja, que visam apenas o interesse pessoal, pactuam com os injustos e corruptos, aceitam subornos, negam justiça aos pobres (Is 5.18, 22-23), decretam leis injustas (Is 10.1) e se afastam da Palavra de Deus como ‘regra de fé e prática’”.
***
Autor: Edson Marques

Comentário sobre Romanos 9 - A Eleição é de Indivíduos ou de Nações?



Por Rev. Augustus Nicodemus Lopes


A chave para entendermos Romanos 9 é a intenção de Paulo, o que ele quer mostrar? A resposta está nos versículos iniciais, 1-5. Ele está triste porque Israel rejeitou Jesus Cristo. Este fato poderia levantar a questão de que a promessa de Deus havia falhado (verso 6). Paulo evita este problema explicando que a promessa foi feita aos descendentes espirituais de Abraão e não aos seus descendentes físicos. Nem todos de Israel são filhos de Deus (verso 6-7). E estes indivíduos, os descendentes espirituais, a quem as promessas foram feitas, e que serão salvos, foram chamados soberanamente por Deus de entre a nação de Israel. Paulo prova isto mostrando a escolha soberana de Isaque e de Jacó. Eles foram escolhidos enquanto indivíduos, embora, certamente, esta escolha venha a ter algum reflexo em seus descendentes (versos 8-13). O ponto de Paulo é que somente os escolhidos de entre a nação de Israel é que creram (e crerão) em Cristo. São indivíduos escolhidos de entre uma nação, para a salvação. Desta forma, Paulo mostra que as promessas de Deus a Israel não falharam, pois dentre a nação Deus sempre escolheu soberanamente, e não por obras, aqueles israelitas individuais que viriam a crer em Jesus Cristo, como o próprio Paulo.

Em resumo, seguem algumas razões pelas quais o argumento central de Romanos 9 é eleição para a salvação e vida eterna, e que na elaboração da argumentação, Paulo menciona Jacó e Esaú como indivíduos e não como nações, embora os descendentes deles viriam a sofrer os reflexos desta escolha individual.

(1) Toda a seção (Romanos 9-11) é sobre a segurança eterna de pessoas. Eleição de nações não faria qualquer sentido contextual. Paulo disse aos cristãos de Roma que nada poderia separá-los do amor de Deus (Rm 8:31-39). A objeção que provocou a resposta de Paulo em romanos 9-11 foi esta: “Como podemos ter certeza de que as promessas de Deus são seguras, visto que Israel, a quem também promessas foram feitas, não creu no Messias?” A resposta de Paulo é que apenas os indivíduos eleitos dentro de Israel é que estão seguros.

(2) A eleição de Jacó sobre Esaú (Romanos 9:10-13) pode ter implicações nacionais, mas começa com dois indivíduos. Não podemos esquecer este fato.

(3) Jacó foi eleito e Esaú rejeitado antes que tivessem feito algo de bom ou ruim. O texto está falando de indivíduos que podem fazer o bem e o mal. Não fala de nações que sairiam deles e que fariam bem ou mal. O bem e o mal referido é de pessoas, indivíduos, chamados Jacó e Esaú.

(4) Rom. 9:15 enfatiza a soberania de Deus na escolha de indivíduos. "Terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia." O pronome “quem” é um singular masculino. Se Paulo estivesse falando de nações, poderia ter usado um pronome plural.

(5) Rom 9:16 está claramente lidando com pessoas: “Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre”. “Quem quer” θέλοντος e “quem corre” τρέχοντος são dois singulares masculinos. É difícil ver implicações nacionais em tudo aqui. É sobre o desejo e esforço individual. 

(6) Rom 9:18 fala do endurecimento de Faraó, um indivíduo. Não está tratando do endurecimento do Egito, mas da pessoa de seu rei, Faraó. Após falar do endurecimento, Paulo resume o que ele está tentando dizer usando pronomes singulares masculinos: “Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz”. Se Paulo estava falando de eleição e endurecimento de nações, ao terminar o exemplo pessoal e individual de Faraó ele deveria ter dito que ele endurece e tem misericórdia das nações que quer.

(7) A objeção em Rom. 9:14, “Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus?” - faz pouco sentido se Paulo estivesse falando sobre a eleição corporativa ou nacional. A acusação de injustiça poderia facilmente ser respondida se Paulo estivesse dizendo que a eleição de Deus é apenas em relação às nações e não tem a intenção salvadora.

(8) Da mesma forma, a objeção em Rom. 9:19 fica totalmente sem sentido se Paulo não estiver falando de eleição individual. “Algum de vocês vai me dizer: “Se é assim, como é que Deus pode encontrar culpa nas pessoas? Quem pode ir contra a vontade de Deus?” (NTLH). A questão que o opositor de Paulo está levantando é que Deus parece injusto com indivíduos, ao endurecer alguns e ter misericórdias de outro como lhe apraz, e não com nações.

(9) Em Rom 9:14-29 temos uma “diatribe”, um recurso de retórica em que o escritor responde os questionamentos de um opositor imaginário. Os questionamentos estão em Rm 9:14 e Rom 9:19. É um artifício muito bom, mas somente se o autor está entendendo corretamente o opositor. Todos os dois questionamentos do opositor (9:14 e 9:19) tem a ver com a injustiça de escolher uns e deixar outros. Paulo poderia ter corrigido este equívoco e dito, “não estou falando de pessoas, mas de nações”. Contudo, ele aceita como legítima a objeção e responde em termos da eleição de indivíduos. 

(10) Em Rom 9:24 Paulo diz que Deus chamou os “vasos de misericórdia”, que Ele preparou para glória “de antemão” (são os eleitos mencionados no capítulo todo) “não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios”. É difícil ver eleição nacional aqui, pois Deus chamou estas pessoas "dentre" todas as nações, ἐξ Ἰουδαίων (de entre os judeus) e também ἐξ ἐθνῶν (de entre os gentios). Os vasos de misericórdia, que são a descendência espiritual de Abraão, em quem se cumprem as promessas, são chamados por Deus de entre na nação de Israel e de entre as nações gentílicas.

(11) Em Romanos 11:1-10, quando Paulo volta a falar da eleição de israelitas individuais de entre Israel étnico, fica claro que os eleitos são pessoas de entre a nação de Israel, os sete mil que não dobraram o joelho a Baal (Rm 11.4), aos quais Paulo se refere como a eleição da graça” (Rm 11.5). Isso nos diz duas coisas: 1) eles são sete mil indivíduos que Deus tem mantido crentes dentro da nação de Israel, e não uma nova nação. 2) Esses indivíduos são mantidos por Deus na fé no Deus verdadeiro, não se curvando diante de Baal (ou seja, eles permaneceram fiéis a Deus). Ou seja, a eleição mencionada por Paulo é de indivíduos para a salvação.

Para você não pensar que estes argumentos são meus, consulte estes comentaristas que seguem esta mesma linha de raciocínio:

Jamieson, Robert, A. R. Fausset, and David Brown. Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Oak Harbor, WA: Logos Research Systems, Inc., 1997.

Lange, John Peter, Philip Schaff, F. R. Fay, J. F. Hurst, and M. B. Riddle. A Commentary on the Holy Scriptures: Romans. Bellingham, WA: Logos Bible Software, 2008.

Boa, Kenneth, and William Kruidenier. Romans. Vol. 6. Holman New Testament Commentary. Nashville, TN: Broadman & Holman Publishers, 2000.

Henry, Matthew. Matthew Henry’s Commentary on the Whole Bible: Complete and Unabridged in One Volume. Peabody: Hendrickson, 1994.

Carson, D. A., R. T. France, J. A. Motyer, and G. J. Wenham, eds. New Bible Commentary: 21st Century Edition. 4th ed. Leicester, England; Downers Grove, IL: Inter-Varsity Press, 1994.

Spence-Jones, H. D. M., ed. The Pulpit Commentary: Romans. The Pulpit Commentary. London; New York: Funk & Wagnalls Company, 1909.

Wuest, Kenneth S. Wuest’s Word Studies from the Greek New Testament: For the English Reader. Grand Rapids: Eerdmans, 1997.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Geração Pokemon






Pokémon é uma série de jogos eletrônicos desenvolvidos pela Game Freak e publicados pela Nintendo, lançado pela primeira vez em 1996 no Japão. A febre do “Pokémon Go” pegou o mundo de assalto. O jogo está instalado em milhões de smartphones Android. No jogo, as criaturas estão espalhadas pelo mundo real para serem capturadas. No processo de captura o jogador abre a câmera do celular e o monstrinho surge na tela, como um desenho no mundo real e para prendê-lo é preciso acertar uma pokébola virtual nele.
Pokémon é a contração de duas palavras em inglês: pocket, que significa bolso; e monster, que significa monstro. Assim, um pokémon é um "monstro de bolso", uma criatura fictícia popular em videogames e desenhos. A maior parte dos pokémons sofre metamorfoses evoluindo para seres mais avançados com uma estética diferente.

Muitos quiseram dar um sentido simbólico ao pokemon, alguns atribuíram forças espirituais e mágicas afirmando que se tratava de coisas demoníacas e rituais de magia negra, mas na verdade, o grande problema não se encontra em qualquer uma destas possibilidades mágicas, e sim, na forma como vivem seus usuários: Existe uma geração de jovens literalmente viciados nestes jogos.

Recentemente ouvi falar de um divórcio no qual uma das causas seria o fato de que o marido, com mais de 30 anos de idade, gastava todo o seu tempo livre jogando pokemon e se esquecia de suas atividades domésticas e responsabilidades. Obviamente outros problemas estavam associados e o casal enfrentava outras dificuldades, mas aquele homem se esqueceu que já tinha idade suficiente para ser pai de um pré adolescente, e decidiu virar o adolescente em casa.

Toda atividade lúdica pode se tornar viciante. Cinéfilos podem se tornar incapazes de fazer outra coisa que não seja assentar-se na frente da televisão e fixar-se nas séries do Netflix. Da mesma forma, o vício em games leva a pessoa a deixar de fazer suas atividades diárias para ficar jogando, o que compromete atividades básicas do cotidiano, como higiene pessoal, alimentação, trabalho, estudos e vida social. Desde janeiro de 2018 este transtorno foi incorporado como doença pelo Catálogo Internacional de Doenças e é tratado por instituições médicas no Brasil e no mundo, já existem muitas clínicas especializadas em pessoas compulsivas em jogos.

A “Geração pokemon” se torna infantilizada e empobrecida em suas relações, trazendo graves distorções na forma como a pessoa gasta seu tempo e investe nas relações sociais. Observe se seus filhos ou familiares, ou mesmo você, não está consumindo tempo exagerado nos games. Desligar o computador, o celular, ou mesmo aplicativos aparentemente inofensivos como whats up, facebook ou instragram pode ajudar, e muito, na saúde emocional.

Rev 

NÃO MAIS GRITO!

Resultado de imagem para nao mais dor



"Deus enxugará todas as lágrimas dos seus olhos; e não haverá mais morte, nem tristeza nem pranto, nem haverá mais dor." Apocalipse 21: 4


Amados Filhos - Um texto da Bíblia está no topo desta página. Eu gostaria que você lesse duas vezes. Vou lhe contar uma coisa que, espero, fará com que você se lembre daquele texto enquanto viver.
Eu vou falar sobre três lugares, dos quais a Bíblia diz muito. Pouco importa o que sabemos sobre alguns lugares; mas importa muito saber algo sobre os três lugares dos quais vou falar agora.

Primeiramente: Há um lugar onde há muito choro .

Segundo: existe um lugar onde não há mais nada além de chorar .

Terceiro: Existe um lugar onde não há choro algum.

Agora, cuide de mim e vou contar algumas coisas que valem a pena conhecer.


I. Primeiro de tudo, há um lugar onde há um grande negócio de chorar.

O que é esse lugar? É o mundo em que você e eu vivemos. É um mundo cheio de coisas bonitas e agradáveis. O sol brilhando de dia e as estrelas à noite; as colinas verdes olhando para o céu, e o mar ondulado se esvaindo e fluindo; os largos lagos tranquilos e os rios inquietos e apressados ; as flores desabrochando na primavera e os campos cheios de grãos no outono; os pássaros cantando na floresta e os cordeiros brincando nos prados - tudo, tudo é lindo! Eu poderia olhar para eles por horas e dizer: "Que mundo lindo é!" Mas ainda assim é um mundo onde há muito choro. É um mundo onde há muitas lágrimas.
Houve "choro" nos tempos bíblicos. Agar chorou quando achou que Ismael estava morrendo; Abraão lamentou quando Sara morreu; José chorou quando seus irmãos o venderam ao Egito; Davi chorou quando Absalão foi morto. Houve choro em Jerusalém quando o bom rei Josias foi morto em batalha. Houve choro em Belém quando Herodes matou todas as criancinhas com menos de dois anos de idade. Essas coisas, e muitas como elas, você encontrará em suas Bíblias.
Há "choro" agora em todo o mundo. Pequenos bebês choram quando quer alguma coisa, ou sentir dor. Meninos e meninas choram quando estão feridos, assustados ou corrigidos. Pessoas crescidas choram às vezes quando estão com problemas, ou quando vêem as pessoas que amam morrer. Em resumo, onde quer que haja tristeza e dor - há "choro"
Eu ouso dizer que você viu pessoas vindo à igreja todas vestidas de preto. Isso é chamado estar de luto . Alguma relação ou amigo dessas pessoas morreu e, portanto, vestem-se de preto. Bem, lembre-se quando você vê as pessoas de luto, que alguém está "chorando".
Ouso dizer que você viu sepulturas nos cemitérios da igreja e ouviu dizer que quando as pessoas morrem são enterradas lá. Algumas delas são muito pequenas sepulturas - mais curtas do que você. Bem, lembre-se que quando essas sepulturas foram feitas e pequenos caixões foram jogados nelas, havia "choro".
Crianças, você já pensou de onde veio todo esse choro? Você já considerou como o choro começou? Você já ouviu como choro e lágrimas vieram ao mundo? Deus não fez choro - isso é certo. Tudo o que Deus fez foi "muito bom". Ouça-me e eu lhe direi como o "choro" começou.
Chorar veio ao mundo por causa do pecado . O pecado é a causa de todo o choro e lágrimas, tristeza e dor que estão sobre a terra. Todo o choro começou quando Adão e Eva comeram o fruto proibido - e se tornaram pecadores . Foi o pecado que trouxe ao mundo de dor e doença e morte . Foi o pecado que trouxe ao mundo o egoísmo , a mentira e a indelicadeza , e brigando , roubando e brigando . Se não houvesse maldade não teria havido choro . Se não houvesse pecado , não haveria "choro".
Veja agora, meus amados filhos, quanto você deve odiar o pecado! Toda a infelicidade no mundo veio do pecado . Quão estranho e espantoso é que alguém possa ter prazer no pecado! Não deixe que seja o caso com você. Cuidado com o pecado. Lute com isso. Evite isso. Não escute isso. Aceite o conselho do apóstolo Paulo: "Odeie o que é mal". Aceite o conselho do rei Salomão: "Quando os pecadores te seduzem, não consinta!" Diga a si mesmo todas as manhãs: "Sim causou choro - e por isso irei odiar o pecado!"
Veja, novamente, meus amados filhos, quão insensato é esperar a felicidade perfeita neste mundo. Está esperando o que você não encontrará. Este mundo é um lugar onde há muito "choro", e onde as coisas nem sempre acontecem agradavelmente. Eu ouço muitos meninos e meninas falando de prazeres que eles terão quando forem homens e mulheres crescidos. Sinto muito por eles quando os ouço falando dessa maneira. Eu sei que eles estão enganados. Eu sei que eles ficarão desapontados. Eles descobrirão quando crescerem, que não poderão atravessar o mundo sem muitos problemas e preocupações . Não há rosas sem espinhos . Não há anos - sem dias escuros e chuvosos. Não há vida na terra - sem "chorar" e lágrimas!

Agora vou falar do segundo lugar sobre o qual prometi contar uma coisa.

II. Há um lugar onde não há mais nada, mas "chorar".

O que é este lugar? É o lugar para onde todas as pessoas más vão quando estão mortas. É o lugar que a Bíblia chama de inferno . No inferno não há risos e sorrisos. Não há nada além de "choro e lamento e ranger de dentes!" No inferno não há felicidade . Aqueles que vão lá, choram o dia todo e a noite toda sem parar. Eles não têm descanso. Eles nunca vão dormir e acordam felizes. Eles nunca param de chorar no inferno.
Amados filhos, lamento dizer-lhes que há muitas pessoas indo para o inferno. "Pois largo é o portão e largo é o caminho que conduz ao Inferno, e muitos entram por ele!" Receio que muitas crianças estejam indo para o inferno. Eu vejo muitos meninos e meninas que são tão desobedientes e mal comportados, que tenho certeza de que eles não estão aptos para o Céu. E se eles não são adequados para o Céu - para onde eles irão se morrerem? Existe apenas um outro lugar para onde eles podem ir. Eles devem ir ao inferno!
Queridos filhos, fico triste em dizer essas coisas. Não posso suportar a idéia de meninos e meninas indo para aquele lugar terrível onde não há nada além de chorar . O desejo do meu coração e a oração a Deus por você - é que você não pode ir para o inferno. Mas eu quero que você saiba algumas coisas que você deve se importar se você não fosse ao inferno. Ouça-me agora enquanto eu faço algumas perguntas.
Por um lado, eu lhe perguntarei: Você ama a Jesus Cristo? Você deveria amá-lo. Ele morreu pelos pecados na cruz - para salvar pessoas do inferno. Ele se permitiu ficar trancado na prisão escura do túmulo, que os pecados poderiam ser perdoados e que as pessoas não seriam acorrentadas no inferno para sempre. Queridos filhos, pensem sobre isso! Se você ama nada além de brincar e comer doces, roupas finas e livros de histórias - e não ama a Cristo, você não está no caminho certo! Cuidar! Quando você morrer, você irá para o Inferno - o lugar onde não há nada além de "chorar".
Vou te perguntar outra coisa: você tenta agradar a Cristo? Você deveria fazer isso. Eu li na Bíblia que Jesus Cristo disse: "Se você me ama, guarda meus mandamentos". "Vocês são meus amigos - se você fizer o que eu lhe ordenar." Queridos filhos, pensem sobre isso! Se você é egoísta, ou zangado, ou conta mentiras, ou briga uns com os outros, ou não obedece como lhe é dito - você não é amigo de Cristo. Cuidar! Quando você morrer, você irá para o Inferno - o lugar onde não há nada além de "chorar".
Vou te perguntar outra coisa: você reza ? Você deveria fazer isso. Deus nunca será um amigo para você - se você não fala com Ele, e pede a Ele que cuide de sua alma e faça você bom. Se você nunca orar ou fizer suas orações sem pensar - seu coração logo estará cheio de travessuras e pecados. Nunca ficará vazio por um dia. Certa vez ouvi falar de um menino que tinha um pequeno jardim cheio de flores, dado a ele. Mas ele não fez nada por isso. Ele nunca arrecadou ou eliminou. E depois de algumas semanas, as ervas daninhas chegaram tão espessas que as flores morreram. Queridos filhos, pensem nisso! Se você não pedir a Deus para colocar o Espírito Santo em seus corações, o diabo em breve os encherá de pecado! Cuidar! Quando você morrer, você irá para o Inferno - o lugar onde não há nada além de "chorar".
Vou lhe fazer mais uma pergunta: Você lê sua Bíblia ?Você deveria fazer isso. Esse belo livro é capaz de te manter longe do Inferno e salvar sua alma. Se você usa a Bíblia corretamente, você não será ferido pelo diabo. Certa vez ouvi falar de um menino na África, que estava dormindo com o pai ao ar livre, perto de um incêndio. Ele acordou no meio da noite e viu um grande leão perto dele, com a aparência de que ele iria se apoderar dele. O garotinho tirou um graveto do fogo e colocou-o na cara do leão - e levou-o embora. Queridos filhos, pensem nisso! O diabo é "um leão que ruge procurando quem ele possa devorar". Mas ele não pode prejudicá-lo - se você fizer um uso correto da Bíblia. Se você fosse expulsá-lo de você, você deve ler sua Bíblia. Se você puder ler e ainda negligenciar sua Bíblia, estará em grande perigo. Cuidar! Quando você morrer
Amados filhos, lembrem-se das minhas quatro perguntas . Pense neles com frequência e teste seu próprio coração com eles. Eu não tenho medo de crianças que amam a Jesus e tentam agradá-lo e orar e ler suas Bíblias. Não tenho medo de que eles vão para o inferno se morrerem. Mas tenho medo das crianças que não se importam com essas coisas. Eu acho que eles estão em grande perigo de ir para o inferno!

Agora vou falar do terceiro lugar sobre o qual prometi contar uma coisa.

III Há um lugar onde não há choro em tudo.

O que é este lugar? É o céu . É o lugar para onde todas as pessoas piedosas vão quando estão mortas. No Céu, tudo é alegria e felicidade. Não há lágrimas derramadas. Lá a tristeza e a dor e a doença e a morte nunca podem entrar. Não pode haver choro no Céu , porque não há nada que possa causar pesar.

Não haverá mais trabalho no céu. As pessoas não precisarão mais trabalhar pela comida. A cabeça não terá mais que sofrer com o pensamento. As mãos não serão mais dolorosas com o trabalho. Haverá um descanso eterno para todo o povo de Deus.

Não haverá doença no céu. Dor e doença e fraqueza e morte não serão conhecidas. As pessoas que moram lá nunca dirão: "Estou doente". Eles estarão sempre bem. Não haverá nada além de saúde e força para todo o sempre.

Não haverá pecado no céu. Não haverá maus ânimos, nem palavras grosseiras, nem ações rancorosas. O grande tentador, o diabo, não será autorizado a entrar e estragar a felicidade. Não haverá nada além de santidade e amor para todo o sempre.
O melhor de tudo é que o próprio Senhor Jesus Cristo estará no meio do céu. Seu povo deve finalmente vê-lo cara a cara, e nunca deixar a sua presença! Ele reunirá Seus cordeiros no seu seio e enxugará todas as lágrimas de todos os olhos. Onde Ele estiver - será plenitude de alegria e à sua direita será prazer para todo o sempre.
Queridos filhos, vocês não gostariam de ir para o céu? Nós não podemos viver sempre neste mundo. Um dia virá em que devemos morrer - como os velhos que já morreram. Crianças, você não gostaria de ir para o céu quando morrer? Ouça-me, e eu vou lhe dizer algo sobre amaneira pela qual você deve ir para o Céu.
Se você fosse para o Céu - você deve ter seus pecados perdoados e seus corações feitos novos e bons. Há apenas um que pode fazer isso por você. Aquele é o Senhor Jesus Cristo. Deus o designou para ser o amigo dos pecadores. Ele pode lavar seus pecados em Seu próprio precioso sangue. Ele pode tornar seus corações novos colocando o Espírito Santo neles. Jesus é o caminho e a porta para o céu. Ele tem a chave para o céu em suas mãos. Filhos, se você quiser ir para o céu, você deve pedir a Jesus Cristo para deixá-lo entrar.
Peça a Jesus em oração para preparar um lugar para você naquele mundo onde não há "choro". Peça-lhe para colocar seu nome em Seu livro da vida e torná-lo um de Seu povo. Peça a Ele para limpar você de todos os seus pecados e para colocar o Espírito Santo em seu coração. Peça a Ele para lhe dar poder para lutar Sua batalha contra o pecado, o mundo e o diabo. Peça a Ele que lhe dê graça para torná-lo bom enquanto você é jovem, e bom quando crescer, para que você possa estar seguro enquanto viver e feliz para sempre quando morrer.
Filhos, Jesus Cristo está pronto para fazer tudo isso, se você apenas pedir a Ele. Ele já fez isso para muitas pessoas. Ele está esperando para fazer isso por você neste exato momento. Não tenha medo de perguntar a ele. Diga a ele que você ouviu dizer que Ele foi muito gentil com as pessoas quando esteve na Terra e pede que Ele seja gentil com você. Lembra-lhe como foi gentil ao pobre ladrão que estava morrendo na cruz. Diga-lhe: "Senhor Jesus, lembra-te de mim; quero ir para o Céu. Senhor, pensa em mim. Senhor, dá-me o Espírito Santo. Senhor, perdoa os meus pecados e dá-me um novo coração. Senhor Jesus, salva-me "
E agora, crianças, mantive minha palavra. Eu te falei de três lugares. Eu lhe falei de um lugar onde não há nada além de chorar . Espero que nenhum de vocês vá lá. Eu te falei de um lugar onde não há choro . Eu espero que vocês todos vão para lá. Eu te falei de um lugar onde há muito choro . Esse lugar é o mundo em que você está vivendo. Você gostaria, por último, de conhecer a melhor maneira de ser feliz neste mundo? Ouça-me e eu direi a você.

As pessoas mais felizes deste mundo são aquelas que fazem da Bíblia a regra de suas vidas. Eles lêem suas Bíblias com freqüência. Eles acreditam no que a Bíblia diz. Eles amam aquele Salvador Jesus Cristo de quem a Bíblia fala. Eles tentam obedecer o que a Bíblia manda. Ninguém é tão feliz quanto essas pessoas. Eles não podem evitar doenças e problemas chegando a eles às vezes. Mas eles aprendem da Bíblia para suportá-los pacientemente. Filhos, se vocês passassem pelo mundo alegremente - tornariam a Bíblia sua melhor amiga.
Devo contar uma história que ouvi sobre um menino e a Bíblia? Talvez ajude você a lembrar o que acabei de dizer. Eu quero que as palavras que acabei de escrever fiquem para sempre em suas mentes.
"Pai", disse este menino um dia, "eu não vejo nenhum uso em ler a Bíblia. Eu não vejo que isso faça bem às pessoas". O pequeno Johnny disse isso de uma maneira bastante cruzada e irritada, e seu pai achou melhor não começar a raciocinar com ele. "Johnny", ele disse, "coloque o seu chapéu e saia, e caminhe comigo".

O pai de Johnny levou-o primeiro a uma casa onde havia uma mulher idosa que era muito pobre, e ele conversou com ela sobre sua pobreza. "Senhor", disse a velha, "não reclamo. Li na Bíblia estas palavras: 'Aprendi em qualquer estado que estou, para me contentar'" "Johnny", disse o pai do menino. "ouça o que a velha diz."
Eles foram para outra casa, onde havia uma jovem que estava muito doente e que nunca poderia melhorar. O pai de Johnny perguntou se ela sentia medo de morrer. "Não!" ela disse: "Acho que está escrito na Bíblia: 'Embora eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, pois Tu estás comigo'" "Johnny", disse o pai do menino novamente " ouça o que a jovem mulher diz. "
Filhos, quando Johnny e seu pai voltaram para casa naquela tarde, o pai fez uma pergunta. "Johnny", ele disse, "você acha que é de alguma utilidade ler a Bíblia? Você acha que ler a Bíblia é bom para as pessoas?"
E agora o que você acha que o Johnny disse? Eu vou te dizer. Ele segurou a cabeça e não disse nada. Mas seu rosto ficou muito vermelho e ele parecia muito envergonhado.
Filhos, desde aquele dia, Johnny nunca mais foi ouvido dizer: "De nada adianta ler a Bíblia".
Amados filhos, lembrem-se das minhas palavras de despedida. A maneira de atravessar o mundo com o menor choro possível é ler a Bíblia, crer na Bíblia, orar sobre a Bíblia e viver pela Bíblia.
Aquele que passa a vida desta maneira terá o menor "choro" neste mundo. E o melhor de tudo, ele não terá choro algum no mundo por vir .



Por JC Ryle

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

A Presciência de Deus.


Resultado de imagem para PRESCIÊNCIA DE DEUS

Que controvérsias têm sido engendradas por este assunto no passado! Mas que verdade das Escrituras Sagradas existe que não se tenha tornado em ocasião para batalhas teológicas e eclesiásticas? A deidade de Cristo, Seu nascimento virginal, Sua morte expiatória, Seu segundo advento; a justificação do crente, sua santificação, sua segurança; a Igreja, sua organização, oficiais e disciplina; o batismo, a ceia do Senhor, e uma porção doutras preciosas verdades que poderiam ser mencionadas. Contudo, as controvérsias sustentadas não fecharam a boca dos fiéis servos de Deus; então, por que deveríamos evitar a disputada questão da presciência de Deus porque, com efeito, há alguns que nos acusarão de fomentar contendas? Que outros se envolvam em contendas, se quiserem; nosso dever é dar testemunho segundo a luz a nós concedida.

Há duas coisas referentes à presciência de Deus que muitos ignoram: o significado do termo e o seu escopo bíblico. Visto que esta ignorância é tão amplamente generalizada, é fácil aos pregadores e mestres impingir perversões deste assunto, até mesmo ao povo de Deus. Só há uma salvaguarda contra o erro: estar firme na fé. Para isso, é preciso fazer devoto e diligente estudo, e receber com singeleza a Palavra de Deus infundida. Só então ficamos fortalecidos contra as investidas dos que nos atacam. Hoje em dia existem os que fazem mau uso desta verdade, com o fim de desacreditar e negar a absoluta soberania de Deus na salvação dos pecadores. Assim como os seguidores da alta crítica repudiam a divina inspiração das Escrituras e os evolucionistas a obra de Deus na criação, alguns mestres pseudo-bíblicos andam pervertendo a presciência de Deus com o fim de pôr de lado a Sua incondicional eleição para a vida eterna.


Quando se expõe o solene e bendito tema da preordenação divina, e o da eterna escolha feita por Deus de algumas pessoas para serem amoldadas à imagem do Seu Filho, o diabo envia alguém para argumentar que a eleição se baseia na presciência de Deus, e esta “presciência” é interpretada no sentido de que Deus previu que alguns seriam mais dóceis que outros, que responderiam mais prontamente aos esforços do Espírito e que, visto que Deus sabia que eles creriam , por conseguinte, predestinou-os para a salvação. Mas tal declaração é radicalmente errônea. Repudia a verdade da depravação total, pois defende que há algo bom em alguns homens, Tira a independência de Deus, pois faz com que os Seus decretos se apóiemnaquilo que Ele descobre na criatura. Vira completamente ao avesso as coisas, porquanto ao dizer que Deus previu que certos pecadores creriam em Cristo e, por isso, predestinou-os para a salvação, é o inverso da verdade. As Escrituras afirmam que Deus, em Sua soberania, escolheu alguns para serem recipientes de Seus distinguidos favores (Atos 13:48) e, portanto, determinou conferir-lhes o dom da fé. A falsa teologia faz do conhecimento prévio que Deus tem da nossa fé a causa da eleição para a salvação, ao passo que a eleição de Deus é a causa , e a nossa fé em Cristo, o efeito .

Antes de continuar discorrendo sobre este tema, tão erroneamente interpretado, façamos uma pausa para definir os nossos termos. Que se quer dizer por “presciência”? “Conhecer de antemão”, é a pronta resposta de muitos. Mas não devemos tirar conclusões precipitadas, nem tampouco apelar para o dicionário do vernáculo como o supremo tribunal de recursos, pois não se trata de uma questão de etimologia do termo empregado. O que é preciso é descobrir como a palavra é empregada nas Escrituras. O emprego que o Espírito Santo faz de uma expressão sempre define o seu significado e escopo. Deixar de aplicar esta regra simples tem causado muita confusão e erro. Muitíssimas pessoas presumem que já sabem o sentido de certa palavra empregada nas Escrituras, pelo que negligenciam provar as suas pressuposições por meio de uma concordância. Ampliemos este ponto.

Tomemos a palavra “carne”. Seu significado parece tão óbvio, que muitos achariam perda de tempo examinar as suas várias significações nas Escrituras. Depressa se presume que a palavra é sinônima de corpo físico e, assim, não se faz pesquisa nenhuma. Mas, de fato, nas Escrituras “carne” muitas vezes inclui muito mais que a idéia de corpo. Tudo que o termo abrange, só pode ser verificado por uma diligente comparação de cadapassagem em que ocorre e pelo estudo de cada contexto, separadamente.

Tomemos a palavra “mundo”. O leitor comum da Bíblia imagina que esta palavra equivale a “raça humana” e, conseqüentemente, muitas passagens que contêm o termo são interpretadas erroneamente. Tomemos a palavra “imortalidade”. Certamente esta não requer estudo! É óbvio que se refere à indestrutibilidade da alma. Ah, meu leitor, é uma tolice e um erro fazer qualquer suposição, quando se trata da Palavra de Deus. Se o leitor se der ao trabalho de examinar cuidadosamente cada passagem em que se acham “mortal” e “imortal”, verá que estas palavras nunca são aplicadas à alma, porém sempre ao corpo.


Pois bem, o que acabamos de dizer sobre “carne”, “mundo”, e “imortalidade”, aplica-se com igual força aos termos “conhecer” e “pré-conhecer”. Em vez de imaginar que estas palavras não significam mais que simples cognição, é preciso ver que as diferentes passagens em que elas ocorrem exigem ponderado e cuidadoso exame. A palavra “presciência” (pré-conhecimento) não se acha no Velho Testamento. Mas “conhecer” (ou “saber”) ocorre ali muitas vezes. Quando esse termo é empregado com referência a Deus, com freqüência significa considerar com favor, denotando não mera cognição, mas sim afeição pelo objeto em vista. “... te conheço por nome” (Êxodo 33:17). “Rebeldes fostes contra o Senhor desde o dia em que vos conheci ” (Deuteronômio 9:24). “Antes que te formasse no ventre te conheci ... “ (Jeremias 1:5). “... constituíram príncipes, mas eu não o soube ...” (Oséias 8:4). “De todas as famílias da terra a vós somente conheci ...” (Amos 3:2). Nestas passagens, “conheci” significa amei ou designei .

Assim também a palavra “conhecer” é empregada muitas vezes no Novo Testamento no mesmo sentido do Velho Testamento. “E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci ...” (Mateus 7:23). “Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido ” (João 10:14). “Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido dele” (1 Coríntios 8:3). “... o Senhor conhece os que são seus...” (2 Timóteo 2:19).

Pois bem, a palavra “presciência”, como é empregada no Novo Testamento, é menos ambígua que a sua forma simples, “conhecer”. Se cada passagem em que ela ocorre for estudada cuidadosamente, ver-se-á que é discutível se alguma vez se refere apenas à percepção de eventos que ainda estão por acontecer. O fato é que “presciência” nunca é empregada nas Escrituras em relação a eventos ou ações; em lugar disso, sempre se refere a pessoas . Pessoas é que Deus declara que “de antemão conheceu” (pré-conheceu), não as ações dessas pessoas. Para provar isto, citaremos agora cada uma das passagens em que se acha esta expressão ou sua equivalente.

A primeira é Atos 2:23. Lemos ali: “A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, tomando-o vós, o crucificastes e matastes pelas mãos de injustos”. Se se der cuidadosa atenção à terminologia deste versículo, ver-se-á que o apóstolo não estava falando do conhecimento antecipado que Deus tinha do ato da crucificação, mas sim da Pessoa crucificada: “A este (Cristo) que vos foi entregue”, etc.


A segunda é Romanos 8:29-30. “Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho; a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou”, etc. Considere-se bem o pronome aqui empregado. Não se refere a algo , mas a pessoas , que ele conheceu, de antemão. O que se tem em vista não é a submissão da vontade, nem a fé do coração, mas as pessoas mesmas .

“Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu...” (Romanos 11:2). Uma vez mais a clara referência é a pessoas, e somente a pessoas.

A última citação é de 1 Pedro 1:2: “Eleitos segundo a presciência de Deus Pai...” Quem são “eleitos segundo a presciência de Deus Pai”? O versículo anterior nô-lo diz: a referência é aos “estrangeiros dispersos”, isto é, a Diáspora, a Dispersão, os judeus crentes. Portanto, aqui também a referência é a pessoas, e não aos seus atos previstos.

Ora, em vista destas passagens (e não há outras mais), que base bíblica há para alguém dizer que Deus “pré-conheceu” os atos de certas pessoas, a saber, o seu “arrependimento e fé”, e que devido a esses atos Ele as elegeu para a salvação? A resposta é: absolutamente nenhuma. As Escrituras nunca falam de arrependimento e fé como tendo sido previsto ou pré-conhecido por Deus. Na verdade, Ele sabia desde toda a eternidade que certas pessoas se arrependeriam e creriam ; entretanto, não é a isto que as Escrituras se referem como objeto da “presciência” de Deus. Esta palavra se refere uniformemente ao pré-conhecimento de pessoas; portanto, conservemos “... o modelo das sãs palavras. . .” (2 Timóteo 1:13).

Outra coisa para a qual desejamos chamar particularmente a atenção é que as duas primeiras passagens acima citadas mostram com clareza e ensinam implicitamente que a “presciência” de Deus não é causativa , pelo contrário, alguma outra realidade está por trás dela e a precede, e essa realidade é o Seu decreto soberano . Cristo “... foi entregue pelo (1) determinado conselho e (2) presciência de Deus” (Atos 2:23). Seu “conselho” ou decreto foi a base da Sua presciência. Assim também em Romanos 8:29. Esse versículo começa com a palavra “porque”, conjunção que nos leva a examinar o que o precede imediatamente. E o que diz o versículo anterior? “... todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles... que são chamados por seu decreto”. Assim é que a “presciência” de Deus baseia-se em Seu decreto (ver Salmo 2:7).

Deus conhece de antemão o que será porque Ele decretou o que há de ser . Portanto, afirmar que Deus elege pessoas porque as pré-conhece é inverter a ordem das Escrituras, é pôr o carro na frente dos bois. A verdade é esta: Ele as “pré-conhece” porque as elegeu . Isto retira da criatura a base ou causa da eleição, e a coloca na soberana vontade de Deus. Deus Se propôs eleger certas pessoas, não por haver nelas ou por proceder delas alguma coisa boa, quer concretizada quer prevista, mas unicamente por Seu beneplácito. Quanto ao por que Ele escolheu os que escolheu, não sabemos, e só podemos dizer: “Sim, ó Pai, porque assim te aprouve” (Mateus li :26). A verdade patente em Romanos 8:29 é que Deus, antes da fundação do mundo, elegeu certos pecadores e os destinou para a salvação (2 Tessalonicenses 2:13). Isto se vê com clareza nas palavras finais do versículo: “... os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho”, etc. Deus não predestinou aqueles que “dantes conheceu” sabendo que eram “conformes”, mas, ao contrário, aqueles que Ele “dantes conheceu” (isto é, que Ele amou e elegeu), “predestinou para serem conformes”. Sua conformidade a Cristo não é a causa, mas o efeito da presciência e predestinação divina.

Deus não elegeu nenhum pecador porque previu que creria, pela razão simples, mas suficiente, de que nenhum pecador jamais crê enquanto Deus não lhe dá fé; exatamente como nenhum homem pode ver antes que Deus lhe dê a vista. A vista é dom de Deus, e ver é a conseqüência do uso do Seu dom. Assim também a fé é dom de Deus (Efésios 2:8-9), e crer é a conseqüência do uso deste Seu dom. Se fosse verdade que Deus elegeu alguns para serem salvos porque no devido tempo eles creriam, isso tornaria o ato de crer num ato meritório e, nesse caso, o pecador salvo teria motivo para gloriar-se, o que as Escrituras negam enfaticamente (veja Efésios 2:9).

Certamente a Palavra de Deus é bastante clara ao ensinar que crer não é um ato meritório. Afirma ela que os cristãos vieram a crer “pela graça” (Atos 18:27). Se, pois, eles vieram a crer “pela graça”, absolutamente não há nada de meritório em “crer”, e, se não há nada de meritório nisso, não poderia ser o motivo ou causa que levou Deus a escolhê-los. Não; a escolha feita por Deus não procede de coisa nenhuma existente em nós , ou que de nós provenha, mas unicamente da Sua soberana boa vontade.

Mais uma vez, em Romanos 11:5 lemos sobre “... um resto, segundo a eleição da graça”. Eis aí, suficientemente claro; a eleição mesma é “da graça”, e a graça é favor imerecido , coisa a que não tínhamos direito nenhum diante de Deus.

Vê-se, pois, como é importante para nós, termos idéias claras e bíblicas sobre a “presciência” de Deus. Os conceitos errôneos sobre ela, inevitavelmente levam a idéias que desonram em extremo a Deus. A noção popular da presciência divina é inteiramente inadequada. Deus não somente conheceu o fim desde o princípio, mas planejou, fixou, predestinou tudo desde o princípio. E, como a causa está ligada ao efeito, assim o propósito de Deus é o fundamento da Sua presciência. Se, pois, o leitor é um cristão verdadeiro, é porque Deus o escolheu em Cristo antes da fundação do mundo (Efésios 1:4), e o fez não porque previu que você creria , mas simplesmente porque Lhe agradou fazê-lo; você foi escolhido apesar da tua incredulidade natural. Sendo assim, toda a glória e louvor pertence a Deus somente. Você não tem base nenhuma para arrogar-se crédito algum. Você creu “pela graça” (Atos 15:27), e isso porque a tua própria eleição foi “da graça” (Romanos 11:5).
                 

por Arthur W. Pink


Fonte: Arthur W. Pink. Os Atributos de Deus. Editora PES.

sábado, 13 de outubro de 2018

Ladrões Ministeriais!


Resultado de imagem para ladroes da igreja
Muitas vezes pensamos que poderia ser interessante e instrutivo, se dedicarmos uma curta série de artigos a alguns dos textos mal interpretados e mal interpretados da Bíblia. Eles não são poucos em número, nem os erros cometidos em sua interpretação são triviais em importância. Não há nada de trivial nas Sagradas Escrituras, e é sempre para nossa perda pessoal, quando as aplicamos mal.
Entre aqueles versos cujo significado real é muitas vezes mal compreendido é: "Em verdade, em verdade vos digo: quem não entra pela porta no aprisco das ovelhas, mas sobe por outra parte, esse é ladrão e salteador" (João 10: 1). Essas palavras foram estranhamente arrancadas tanto pelo púlpito quanto pelo banco, e parece haver uma necessidade real de saber, em espírito de oração, seu significado, pois elas contêm uma advertência que é muito oportuna para esses dias.
A referência em João 10: 1, não é para não regenerar almas rastejando na Igreja de Deus, ainda menos para a obtenção de uma entrada para o céu. É quase impensável que qualquer comentarista tenha essa opinião, pois "ladrões e ladrões" nunca invadem o Paraíso celestial (Mateus 6:20), nem Cristo leva Suas ovelhas para fora da Igreja, como Ele faz a partir desta " dobrar "(João 10: 3). Não é ovelhas fictícias - mas falsos pastoresque nosso Senhor está aqui representando. Não são as almas não regeneradas que tentam roubar a salvação - mas os pregadores não regenerados que procuram resgatar o rebanho de Cristo que é representado por esses "ladrões e ladrões". As ovelhas são incapazes de "subir" as altas cercas - mas os homens que as atacam não param por nada em sua determinação de engordar às custas de suas vítimas.
Aqui, como em todo lugar, cuidadosa atenção deve ser dada à configuração de nosso verso. João 10: 1 faz parte de uma "parábola" (v. 6) ou provérbio. É manifestamente uma continuação do capítulo anterior, e, portanto, os falsos mestres entre os judeus (aqueles que haviam expulsado do Templo aquele cuja visão Cristo havia restaurado - 9: 35) foram principalmente destinados pelos "ladrões e ladrões". Os sacerdotes e escribas exigiam de Cristo - com que autoridade agia, visto que não recebera nenhuma comissão deles. Aqui Ele vira as mesas sobre eles e insiste que eles não tinham autoridade divina para oficiar como os pastores do povo de Deus.
Em sua aplicação mais ampla, a denominação "ladrões e ladrões" refere-se a todos os que invadem o ofício pastoral, que não são chamados nem equipados por Deus. "Em verdade, em verdade te digo." O "você", então, são os fariseus das 9:40. "Aquele que não entra pela porta do aprisco" - esta "porta" não deve ser confundida com a do versículo 9: aqui está a porta para o "aprisco", ali está a porta da salvação. O "redil" era o judaísmo, depois degenerado; hoje é a cristandade, agora apóstata. A "porta" denotava os meios legítimos de entrada - um chamado divino: contrastando com "algum outro caminho" pelo qual os ladrões e ladrões tinham acesso. Ao denominar os fariseus "ladrões e ladrões,
Quão diligentemente deveriam examinar seus motivos, que pensam em entrar no ministério , porque milhares abusaram desta instituição divina através do amor à vontade, desejo de autoridade e reputação - ou amor ao dinheiro, e trouxeram para si mesmos "maior condenação" (Tiago 3: 1). Milhares de pessoas invadiram o escritório pastoral de maneira não autorizada, para passar lã em vez de se alimentar.eles roubando Cristo de Sua honra, e famintos Seu povo. Solene além das palavras é, observar quão severamente nosso Senhor denunciou estes falsos pastores de Seus dias. Como JC Ryle disse corretamente: "Nada parecia tão ofensivo a Cristo - como um falso professor de religião, um falso profeta ou um falso pastor. Nada deveria ser tão temido pela Igreja, ser tão claramente repreendido, combatido e exposto! " Compare Mateus 23:27, 28, 33.
Em conclusão, é pertinente perguntar, quais são as marcas de um verdadeiro pastor , como o povo de Deus identifica aqueles que são chamados e qualificados por Ele para ministrar a Seu povo?
Nós respondemos, primeiro, o pastor genuíno tem a DOUTRINA de Cristo em seus lábios. Os ministros da nova aliança são descritos como aqueles que "renunciaram às coisas ocultas da desonestidade, não andando com astúcia". A cristandade hoje está infestada de homens que estão cheios de falsidade e hipocrisia, aparando suas velas de acordo com qualquer direção que a brisa da opinião pública esteja soprando. "Nem manipulando a Palavra de Deus falsamente" (2 Coríntios 4: 2). O verdadeiro servo de Cristo não retém nada que seja proveitoso, por mais intragável que seja para seus ouvintes. Ele é alguém que não se magnifica, nem sua denominação - mas Cristo - Sua Pessoa maravilhosa, Seu sangue expiatório, Suas reivindicações exatas.
Segundo, o pastor genuíno tem o ESPÍRITO de Cristo em seu coração . É o Espírito que abre para ele os mistérios do Evangelho, de modo que ele é um "sábio servo" (Mateus 24:45). É o Espírito de Cristo que lhe dá amor pelas Suas ovelhas, de modo que é seu maior deleite conduzi-las aos pastos verdes de Sua Palavra. É o Espírito de Cristo que o capacita a usar "grande franqueza (ousadia") "(2 Coríntios 3:12), de modo que ele evite declarar todo o conselho de Deus. É o Espírito de Cristo que o faz "instantâneo na época, fora de estação ... exortando com toda a paciência" (2 Timóteo 4: 2). É o Espírito de Cristo que dá eficácia ao seu ministério,
Terceiro, o pastor genuíno tem o EXEMPLO de Cristo em sua vida , que o conforma com a imagem de seu Mestre. É verdade, infelizmente verdade, que não há um deles que não fique aquém - tanto da imagem interior como exterior de Cristo. No entanto, há alguns traços vagos de Sua imagem visíveis em todos os Seus verdadeiros servos - ou por que o povo de Deus os ama, respeita, ouve? Que outras alegações eles têm em sua atenção? imagem de Cristo é vista em suas palavras, espírito, ações - pode ser quebrada, como a imagem do sol em água agitada; mas está lá, do contrário não temos garantia para recebê-los como servos de Deus. Encontre um homem (não é tarefa fácil hoje!) Que tem a doutrinade Cristo em seus lábios, o Espírito de Cristo em seu coração e o exemplo de Cristo em sua vida - e você encontra um de seus genuínos ministros! Todos os que são destituídos destas marcas são apenas "ladrões e ladrões".

Arthur Pink


quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Ef 5.22 Maridos, Amai…

Resultado de imagem para imagens maridos amai
Introdução
Antes de estudarmos o texto, quero fazer algumas observações:
Primeira: A coisa mais difícil quando se fala de casamento é no que concerne a funções, isto porque, ao ler a lista de funções e de obrigações de cada um, tende-se a ler para o outro, e nunca para si mesmo. Então, para começo de assunto, vamos fazer um exercício: O homem lê a tarefa masculina, e a mulher a feminina: É possível? Certa pessoa se aproximou do pastor no final do culto e elogia o sermão: “Pastor, esta mensagem foi muito importante. Era tudo que meu marido precisava ouvir”. E o pastor pergunta: “Onde está seu marido?”, e a mulher responde: “Ficou em casa!” Nada pode ser mais danosa para a alma que ouvir a Palavra de Deus para o outro. Deus quer comunicar algo à nossa vida, e precisamos estar atentos à sua verdade para sermos transformados.
Segunda: Este texto fala de funções no casamento. Funções são engrenagens e estas sempre tem a tendência de emperrar em algum momento. É fácil construir uma “to do list” e passarmos a viver em função das coisas que precisamos fazer, sem considerar que existe uma dimensão muito mais ampla no relacionamento que as tarefas do dia a dia. O pecado distorce as funções, transformando-as em instrumento de manipulação e controle. Por isto este texto precisa rigorosamente começar sua leitura em Ef 5.21 e só fechar o bloco de ideias em Ef 5.32, quando ouvimos a palavra “mistério”.
Esta palavra foi traduzida do grego, onde originalmente o termo é “misterium”. Jeronimo traduziu para a vulgata latina como “sacramentum”, o que deu ensejo à igreja Católica de considerar o casamento como um sacramento. Apesar de minhas convicções reformadas, entendo que casamento, de fato, é “um sinal visível de uma graça invisível”. Que lugar pode traduzir tanto a graça de Deus para a vida de uma pessoa que um lar sob a orientação do Sagrado, vivendo no temor do Senhor?
Terceiro: em Ef 5.22 vemos a função da mulher, ou seu papel. “Mulheres, sede submissas ao seu próprio marido”. Como já estudamos este tema anteriormente, agora, precisamos avançar um pouco mais. Em Ef 5.25 lemos: “Maridos, amai vossas mulheres”. Submissão e amor se constituem nos termos centrais. Mas as funções só cumprem seu papel se contempladas à luz do “mistério”. Deus entrelaçando as atividades.
Maridos, Amai…
Esta é a ordem clara da Palavra. O marido deve amar sua esposa. (Ef 5.25; Cl 3.19).
Consideramos anteriormente como o oposto do amor é ódio, mas que a expressão mais sutil do ódio é a indiferença. Esta é a reclamação central das mulheres em relação aos seus esposos. “Meu marido não me considera!”, não se importa com o que sinto, como eu vejo as coisas, qual é a minha opinião. Portanto, o oposto do amor, não é exatamente o ódio, mas sua mais sutil e devastadora expressão que se revela no desaso e no desvalor à esposa.
Quando Deus nos ordena algo, ele o faz para nosso bem. “Os mandamentos são dados para a vida”. O que acontece quando o amor bíblico é praticado?
Implicações do amor à esposa:
1.       O amor traz vitória sobre a indiferença – Nada pode ser mais efetivo quanto ao descaso que o amor genuíno. “Ele não busca seus próprios interesses”. Quando se ama, importa sim o coração da pessoa amada. Por isto a Bíblia afirma: “Maridos, vós igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, porque sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida para que não se interrompam as vossas orações” (1 Pe 3.7).
Observe como é sugestivo o texto: “tendo consideração”.
A falta de consideração sobre o que a mulher pensa, sente e deseja, facilmente se torna um grande empecilho para a relação respeitosa e amável que deve reger a vida doméstica.
2.       O amor tira a amargura do coração da mulher. Esta é a primeira coisa que observamos. O amor dá significado e valor. Certamente esta é a razão da palavra de Deus nos exortar: “Maridos, amai vossa esposa e não as trateis com amargura” (Col 3.20). Não é significativo considerar que a amargura tenha sido citada em relação ao amor? Quando um marido ama sua mulher, faz desabrochar nela o sentimento profundo e belo que pode tirá-la da depressão e melancolia tão presentes no sentimento feminino.
A palavra grega para “amargura” que aparece no texto é a mesma de Apocalipse 8.11 no qual vemos que o absinto amargou as águas a ponto de se tornarem venenosas e matarem os homens que dela beberam. Em Ap 10.9 novamente surge a mesma palavra. O estômago se tornou amargo. Sempre existe o perigo que o cinismo, incompreensão e autoritarismo amargurem a existência do outro, trazendo sensações viscerais que atingem os órgãos vitais do ser humano. Esta era a forma da antropologia hebraica expressar extrema alegria e dor, sempre associados aos órgãos como fígado, rim e intestino.
3.       O amor elimina os maus tratos no relacionamento – “Maridos, não as trateis com amargura” (Cl 3.19). Chamo atenção agora para o verbo “tratar”, que tem a ver com “tratamento”, forma de se relacionar e falar. Muitos homens maltratam e desprezam. A Bíblia não permite os maus tratos e a relação animosa em relação à mulher. Pelo contrário, precisa “ter consideração para com a mulher como parte mais frágil”.
Quem ama cuida, protege, apoia, encoraja. Só uma relação neurótica e doentia sobrevive num relacionamento de culpa, violência e acusação. Minha esposa chamou atenção para este texto afirmando que talvez o que ele sugira seja alguma coisa muito sutil. É possível tratar a mulher, mesmo tendo atitudes relativamente positivas, mas com sentimentos de amargura. Um homem pode tratar com amargura. Seu coração está chateado e suas ações passam a ser desenvolvidas dentro deste contexto de amargura.
4.       O amor realça a auto-imagem e auto estima da mulher – auto imagem se relaciona com o aspecto externo, e auto estima com o interno. Na primeira, trata-se da forma como a pessoa se vê, e na segunda, como ele se sente. A falta de amor pode acabar com a auto imagem da mulher e com seu senso de valor.
O amor protege o relacionamento em ambos os casos. Declarações de carinho, confissões de amor e elogios, ajudam positivamente na cura imagens distorcidas quanto ao corpo. Num contexto onde se cultua o corpo (fisiculturismo é uma palavra sugestiva: culto ao físico), não é comum que as mulheres se sintam tão negativas acerca de si mesmos e de sua beleza. O amor estimula a linguagem sensual e amorável no tratamento.
O amor exalta também a auto- estima feminina. A maioria das mulheres possui um amor próprio muito ruim e uma imagem ainda pior. À medida que o marido revela sua admiração por ela, e  declara seu amor ela encontrará mais facilidade em perceber seu valor próprio Não se mede a auto-estima da mulher apenas na forma de se aprontar e vestir, às vezes isto tem a ver com condição financeira, mas a forma exterior é uma boa forma de se perceber como a pessoa tem passado.
Uma pergunta desconfortável fica para os homens: Será que a forma como tratamos nossa esposa a leva a um crescimento de sua auto estima e auto imagem?
5.       O amor tem o papel de encorajar a espiritualidade da mulher – Tim Keller no seu livro “o significado do casamento”, afirma que a função bíblica mais relevante do homem é ajudar a sua esposa na sua caminhada em direção à Deus.
A Bíblia monstra como a atitude insegura de Abraão gerou crise no coração de Sara. Ele lhe disse que Deus lhe daria um filho por meio dela. Como o tempo ia passando e o filho não chegava, Sara resolveu “ajudar” para que a promessa de Deus se cumprisse para Abraão, dando-lhe Agar. Nesta hora, Abraão deveria ter confirmado a palavra recebida, mas ele vacilou e cedeu. Mais tarde, quando Deus revelou a Sara que seria através de seu corpo frágil de uma idosa mulher, ela riu, descreu e duvidou. A atitude de Abraão gerou insegurança quanto à fé de Sara.
O marido tem o compromisso de levar sua esposa para mais perto de Deus. O apóstolo Paulo diz que o esposo deve honrar, santificar e purificar sua esposa, estes passos são fundamentais na caminhada de fé. Assim como Cristo está preparando sua noiva, a igreja, para se encontrar com Deus, os maridos precisam ajudar sua esposa na direção de Deus.
O objetivo maior do casamento não é uma vida sexual abundante, nem a graça de superar traumas psicológicos e emocionais, mas ajuda-la na sua caminhada de fé. Através da unidade sexual, marido e mulher se tornam uma só carne e esta intimidade vai além do sexo e das funções, apontando para o mistério.
Veja quantas vezes aparece no texto a expressão “para que” (Ef 5.26); “para” (Ef 5.27) e “Eis porque” (Ef 5.31). Todas elas dando-nos senso de direção e objetivo.
Conclusão:
Uma pergunta fundamental e ultima fica então para os maridos na tarefa de amar suas esposas. Será que nosso amor as ajuda na caminhada de discipulado, serviço e entrega ao Senhor? Temos ajuda nossa esposa a se aproximar de Deus, ou temos gerado cinismo, incredulidade e dúvidas quanto às coisas de Deus?

Rev Samuel Vieira

A posição da IPB sobre o comunismo.

  Em 1954, quando Getúlio Vargas era o Presidente do Brasil, A Igreja Presbiteriana do Brasil se pronunciou contra o comunismo da...