quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Morre Billy Graham, aos 99 anos



Conselheiro de presidentes, ele era considerado o maior evangelista do mundo moderno.

Morre Billy Graham, aos 99 anos




O conhecido evangelista americano Billy Graham, que pregou para milhares de pessoas no mundo todo, morreu nesta quarta-feira (21)

Ele morreu aos 99 anos, em sua casa em Montreat, na Carolina do Norte, anunciou Jeremy Blume, porta-voz da Billy Graham Evangelistic Association.

Ele foi um dos mais influentes pregadores do século XX, tendo servido como conselheiro de diversos presidentes da república americanos e figurado sucessivas vezes em listas de pessoas “mais influentes do mundo”.

De família batista, foi batizado aos 16 anos e ordenado pastor em 1939. Graham deu início às suas cruzadas pelo mundo o mundo em 1954. Ao longo de seu ministério público de 60 anos, estima-se que tenha pregado a 210 milhões de pessoas. Além disso, escreveu dezenas de livros e promoveu a evangelização através de programas de rádio, TV e pela internet.

Billy Graham casou-se em 1943 com Ruth Graham. O casal teve 5 filhos, 19 netos e 28 bisnetos. Seus filhos Franklin Graham e Anne Graham Lotz também são evangelistas, e deram continuidade ao trabalho do pai.

por Jarbas Aragão

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Professora é demitida e acusada de “terrorismo” por dizer a aluna lésbica “Deus ama você”


Grupo de alunos alega ter sofrido "lavagem cerebral" visando fazê-los sentirem-se "culpados".


Professora é demitida por dizer a aluna lésbica que Deus a ama

O Tribunal do Trabalho do Reino Unido julgou improcedente a tentativa de uma professora cristã de reaver seu emprego numa escola. Ela foi acusada de discriminação, por ter falado sobre questões religiosas aos alunos.

Svetlana Powell, que possui 17 anos de experiência no magistério, foi demitida pela Academia de Aprendizagem T2, na cidade de Bristol em junho de 2016. O motivo foi seu posicionamento sobre a homossexualidade. Uma aluna lésbica denunciou a professora, que foi enquadrada como potencial “perigo de radicalização”, pelo órgão de vigilância antiterrorista do governo, a Prevent.

Powell diz que respondeu a uma estudante de 17 anos sobre sua crença pessoal, explicando que a homossexualidade era contra a vontade de Deus. Porém, deixou claro que, como cristã, amava a cada pessoa, independentemente do que eles faziam.

Uma das colegas, afirmando ser lésbica a contestou, quando a professora disse em frente a toda a classe: “Deus te ama”. Dois dias depois, a Diretora dos Recursos Humanos da escola, Stacy Preston, comunicou que a senhorita Powell seria demitida por sua “conduta desrespeitosa”.

Diante do tribunal, a diretora da instituição de ensino, Sian Prigg, relatou que um grupo de estudantes se queixou a ela de terem sofrido uma “lavagem cerebral” visando fazê-los sentirem-se “culpados”. Ela contatou o escritório local da Prevent, que entrou em ação, classificando Powell como uma “ameaça” por suas convicções religiosas.

Em sua defesa, a professora diz que a conversa na sala de aula visava “Fazer uma discussão que abordava questões incluídas no plano de aula”. “Eu considerei o tema apropriado, pois a discussão sobre a perspectiva cristã contribuiria para o debate das questões culturais de nossa sociedade”, explicou.

Um dos alunos teria perguntado se a aluna lésbica “iria para o Inferno”. A opção de Powell foi dizer que a perspectiva cristã histórica é que só existe um caminho de salvação, através de Seu filho, Jesus Cristo, mas não disse nada sobre o “Inferno”.

Segundo a direção da escola, Powell foi demitida por que seus comentários foram considerados ofensivos por alguns alunos não cristãos. O tribunal não emitiu juízo sobre ela representar (ou não) perigo de “radicalização”, mas deu ganho de causa para a escola, que teria direito de impedir manifestações religiosas em sala de aula. Com informações Christian Concern.
por Jarbas Aragão

CNBB pode orientar católicos a não votarem em Bolsonaro


“Queremos candidatos comprometidos com a justiça social e a paz”, diz órgão historicamente ligado a partidos de esquerda.


CNBB pode orientar fiéis a não votarem em Bolsonaro

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) lançou nesta quarta (14) a Campanha da Fraternidade de 2018, cujo tema é “fraternidade e superação da violência”. O lema escolhido é o texto bíblico “Vóis sois todos irmãos” (Mt 23,8). O foco seria debater a segurança pública, ressaltando os homicídios no país, especialmente contra jovens negros, além do trabalho escravo.

O início oficial da campanha ocorreu na sede da Conferência em Brasília, contando com a presença da ministra e presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, e do deputado federal Alessandro Molon (REDE/RJ).
PUBLICIDADE

O presidente da CNBB e arcebispo metropolitano de Brasília, cardeal Sérgio da Rocha, disse que a Igreja Católica não apoiará candidatos à Presidência da República que “promovam a violência”. Embora não tenha nomeado diretamente a nenhum dos pré-candidatos, a cúpula da Igreja ressalta que apoia a campanha do desarmamento. Estas posições são um contraponto direto às propostas de Jair Bolsonaro (PSC/RJ), o único que coloca questões de segurança como prioridade e defende a ampliação do porte de armas no país.

“É lamentável que se apresente soluções para superar a violência recorrendo a mais violência. A Igreja, é claro, nessas eleições, como sempre faz, estará orientando os próprios eleitores, não substituindo a consciência dos eleitores, mas ajudando a formar consciência. Nós queremos candidatos comprometidos com a justiça social e a paz. Não [queremos] candidatos que promovam ainda mais a violência”, declarou Rocha.

O cardeal insiste que a vontade da Igreja é mostrar que a busca da Justiça não passa por “soluções simplistas nem reações emocionais”. Defende também que os investimentos em segurança pública precisam ser acompanhados por outros maiores visando assegurar a qualidade de vida da população.

A CNBB também criticou as reformas promovidas pelo governo de Michel Temer. O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, afirmou que “Os textos [da Campanha da Fraternidade] não abordam diretamente [as reformas], mas é claro que são violências. Nós sentimos isso. Vejo que até o Carnaval, no enredo, mostrou tanto a violência quanto a corrupção, as chamadas reformas sem ouvir o povo, os aposentados”.

Historicamente alinhada aos partidos de esquerda e movimentos como MST, a postura da CNBB não surpreende. 
Nas últimas semanas vieram à tona uma série de evidências que há bispos diretamente envolvidos na campanha do ex-presidente Lula. Com informações de UOL
por Jarbas Aragão.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Pai de santo é preso após praticar esquartejamento em rituais satânicos


No terreiro a polícia encontrou partes de um corpo humano


Pai de santo é preso após praticar esquartejamento em ritual satânico

Um pai de santo foi preso nesta quinta-feira (1°), em Moreno, na Região Metropolitana do Recife, acusado de assassinato e esquartejamento durante rituais satânicos. Diego José Minervino dos Anjos, de 26 anos, confessou ter assassinado um homem há 20 dias. A vítima era Marcos Ferreira da Silva, de 33 anos, cujos restos mortais foram encontrados no dia 13 de janeiro no Rio Jaboatão, em Jaboatão dos Guararapes.

A polícia chegou ao local após denúncias de vizinhos que reclamavam do mau cheiro vindo da casa de Diego há cerca de quatro dias. Eles acreditavam que seriam por causa de animais mortos, pois o homem tinha histórico de realizar rituais envolvendo sacrifícios.

Ao ser detido, Pai Diego confessou o crime e explicou que era parte de um ritual de magia negra para a entidade Oxum. O objetivo seria “ficar rico”.


Conforme foi divulgado pela Polícia Militar, na casa do suspeito, foi encontrado um balde com um crânio, duas mãos e dois pés em avançado estado de decomposição, o que não permite saber se os membros são realmente de Marcos.

O Instituto de Criminalística fará uma perícia no terreiro. O pai de santo foi levado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa. 
Com informações JC Online
por Jarbas Aragão

Blocos de igrejas sairão no Carnaval para evangelizar


“Na grande maioria das igrejas as pessoas vão para retiros e nós não, nós vamos para a rua. Isso é o impacto”, afirma um dos organizadores.


Blocos de igrejas sairão no Carnaval para evangelizar

A ideia de blocos evangélicos no Carnaval do Brasil não é nova. Mas dia 12 de fevereiro, pela primeira vez a orla de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, receberá o evento “Evangelismo de Carnaval”, promovido pela igreja Bola de Neve.

Além do desfile, com direito a bateria, também haverá um show com cantores gospel na quadra da Acadêmicos da Rocinha no final da tarde. Seguindo a dinâmica do mercado, para participar é necessário comprar a camiseta do evento, que custa R$ 55.

“A época de Carnaval, segundo o mundo, é marcada por um espírito de sensualismo e vulgaridade. Tenha sabedoria na hora de escolher o que vestir. Vá com roupas leves: a camisa do Evangelismo, um shorts e chinelo”, alertam os organizadores no site do evento.


Em evento similar, mas na Barra da Tijuca, o Sou Cheio de Amor, da Igreja Batista Atitude, fará seu desfile pelo quinto ano consecutivo, dia 10 de fevereiro, a partir das 15h.

Renato Guimarães, coordenador do Impacto de Carnaval, nome oficial do evento, explica:


“As pessoas que estão na praia nós convidamos para participar. Na grande maioria das igrejas as pessoas vão para retiros e nós não, nós vamos para a rua. Isso é o impacto”. A expectativa é reunir mais de duas mil pessoas, oferecendo dois trios elétricos e uma bateria com 80 ritmistas – 90% deles formados em oficinas do bloco.

O Sou Cheio de Amor entoará músicas com letras gospel, mas nos ritmos de axé e pagode. O tema de 2018 é “Sou felicidade”. Além de promover a “folia em nome de Jesus”, os membros do bloco afirmam que irão evangelizar, com a distribuição de folhetos e conversas com os interessados. Estão previstas rápidas pregações dos pastores ligados ao ministério. Outra estratégia é a distribuição de copos de água, onde são colocados adesivos com a frase ‘eu sou a fonte da vida’. O “abadeus”, como é chamado o abadá pelos fiéis, custa R$ 20.

“Ano passado, 220 pessoas aceitaram Jesus”, conta Guimarães. Ele explica ainda que para participar do bloco a pessoa não precisa ser da igreja, mas deve respeitar algumas regras, como: nada de cerveja ou qualquer bebida alcoólica e nem roupas ou fantasias que mostrem demais.

O coordenador do bloco assegura: “As pessoas entram e nos veem pulando, sambando com uma motivação que vem do Senhor. Não precisa beber e ter outros artifícios. Conseguimos transmitir essa motivação. Não há passagem na Bíblia que fala que não pode beber. Não podem é se embriagar. Dizem ‘adoro uma cervejinha’, por que não bebem a sem álcool? As pessoas gostam é da euforia que o álcool traz, mas a nossa vem do alto”.


Um terceiro bloco que desfilará na zona sul é a Mocidade Dependente de Deus, ligada à Igreja Evangélica Internacional da Zona Sul. Eles desfilarão na terça-feira de Carnaval, dia 13 de fevereiro, às 14h, na praia do Flamengo. Com informações de UOL
por Jarbas Aragão

Movimento pró-aborto quer forçar médicos cristãos a realizarem a prática



Planned Parenthood alega que defender convicções religiosas e morais é discriminação


Movimento pró-aborto quer forçar cristãos a realizarem a prática

O nome de Cecile Richards e da ONG Planned Parenthood podem não ser muito familiares aos brasileiros, mas eles são os responsáveis pelo maior lobby pró-aborto do mundo, tendo influência junto à ONU para regulamentar a prática na América Latina.

Nos Estados Unidos eles são muito próximos dos movimentos “liberais” ou “progressistas”, nomes adotados por lá para o discurso das esquerdas. Em entrevista recente, Richards anunciou que está abrindo mão de seu cargo, após ver seu nome ligado a um esquema venda de órgãos fetais e partes do corpo com fins lucrativos, e de encorajar as mulheres a praticarem abortos, a fim de expandir suas operações.

Próxima de Hillary Clinton e da cúpula do Partido Democrata, ela atacou as decisões do presidente Donald Trump em permitir que os profissionais médicos pró-vida possam se recusar a praticar ou ajudar em procedimentos de aborto, mudando a lei assinada por Barack Obama anos atrás. No início de 2018, o governo dos Estados Unidos anunciou a criação da Divisão de Liberdade de Consciência e Religião, dentro do Ministério da Saúde.


O discurso de Richards, presente também em comunicações da Planned Parenthood, diz essencialmente que os cristãos devem ser forçados a realizar abortos. Diz não concordar com a nova legislação que permite proteger qualquer pessoa que tenha uma “objeção moral” ao envolvimento na morte de um nascituro.

Para o movimento que Richards faz parte, proteger quem se nega a realizar abortos é “vergonhoso”. A nova campanha da rede de clínicas de aborto Planned Parenthood, tem o título de “Discriminação, pura e simples. Lute agora”.


A ONG está reforçando suas campanhas de angariação de fundos após o governo Trump cortar os repasses para clínicas de aborto. Outra estratégia para continuar ativa é oferecer tratamento hormonal para transexuais.

Mas a influência de Richards não deve ser desprezada. Afinal, grande parte do discurso esquerdista no Brasil é influenciado por algo que já é defendido nos Estados Unidos. Portanto, não será surpresa vermos por aqui muita gente repetir o argumento da Planned Paranthood de que é “discriminação” alguém defender suas convicções “religiosas, morais ou pessoais”.

Afinal, o Manifesto Comunista, escrito por Marx e Engels em 1848, não defendia apenas teorias econômicas. No livro que influencia a esquerda em grande parte do mundo até hoje a moralidade, a lei e a religião são classificadas de “preconceitos burgueses” que deviam ser abolidos

por Jarbas Aragão

Com informações de Life News

A posição da IPB sobre o comunismo.

  Em 1954, quando Getúlio Vargas era o Presidente do Brasil, A Igreja Presbiteriana do Brasil se pronunciou contra o comunismo da...