sábado, 10 de agosto de 2013

“União estável gay traz consequências desastrosas para a estrutura familiar”, aponta Jaime Kemp


“A decisão da comissão de direitos humanos do senado brasileiro é desastrosa para a família, numa questão de mais ou menos 50 anos a liderança está redefinindo a família”, disse o Pastor Jaime Kemp, fundador e diretor do Ministério Lar Cristão ao The Christian Post.
Jaime Kemp, um norte-americano, doutor em ministério familiar, comentou sobre os efeitos da aprovação, a posição da igreja cristã sobre o reconhecimento da união entre homossexuais e as medidas que a igreja e os líderes cristãos do país devem tomar diante disso.
“A estrutura familiar conforme o arquiteto do lar que é Deus e sua revelação através de sua palavra à Bíblia, define marido/pai, esposa/mãe e filhos”, disse ele ao CP, contrapondo-se à ideia de uma união entre pessoas do mesmo sexo. “Este é o ideal de Deus e tem sido assim por milhares de anos e por dois milênios ensinado pela igreja.”
“Agora os homossexuais, dois homens ou duas mulheres podem adotar uma criança, as lésbicas ainda podem fazer inseminação artificial ter filhos e chamar isso de família.”
Ele apresenta os argumentos bíblicos, apontando para a passagem de Gênesis 1:25, “’Criou Deus, pois o homem criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos…’”, disse ele.
Curta-nos no Facebook
E então ele questiona: “Como dois homens ou duas mulheres podem cumprir essa ordem e a benção de Deus? Porque filhos precisam de papais e mamães, maridos precisam de esposas e esposas de maridos. Peço a Deus que tenha misericórdia das famílias!”
A prposta que foi encaminhada pela senadora Marta Suplicy deve ainda passar pela aprovação na plenária da Câmara dos Deputados. Segundo o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP), a união estável entre homossexuais será usada como pretexto para a união civil e em seguida para a união religiosa.
Para a senadora Marta a questão mais importante que ela defende é o fato de que a lei não fere a liberdade religiosa, não se atendo aos aspectos da estrutura familiar como sendo formada a partir de um homem e uma mulher defendida pelos cristãos. A senadora vê a lei como um direito de liberdade e afirma que isso é para garantir que a “fé de uns não se sobreponha à liberdade pessoal de outros”.
Qual deve ser a posição das igrejas cristãs (tanto católicas quanto evangélicas)?
“Lembrar que Jesus Cristo entregou sua vida na cruz para pagar o preço do nosso pecado. Deus ama o gay, porém não ama o comportamento homossexual. Os escritos bíblicos nos ensinam que devemos ter atitude de cristão comprometidos com sua palavra, devemos amar os homossexuais e não o seu comportamento”, respondeu a pergunta Kemp ao CP.
Ele assim aponta que a igreja deve continuar ensinando e pregando a todos sobre o que diz a palavra de Deus sobre o comportamento homossexual. Mas ele faz uma ressalva de que isso tem que ser feito “com muito amor!”
E continua, as igrejas não devem ter medo de falar sobre o assunto com o povo e devem ajudar “o povo entender que devemos amar o pecador e procurar levá-lo à Jesus Cristo, deixando claro que a palavra de Deus condena o homossexualismo.”
Às famílias e líderes cristãos eles devem orientar o seu rebanho e filhos sobre o plano de Deus sobre a família revelada na palavra de Deus, diz ele.
“Ensinar o rebanho e os pais a amar todas as pessoas independentemente da sua orientação sexual e procurar mostrar o caminho certo para eles.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

18 razões para o Cristão não ser Vegano.

O Veganismo é um conjunto de práticas focadas nos direitos dos animais que,  por consequência, adota uma dieta baseada em vege...