sexta-feira, 14 de maio de 2010

A CRIANCICE DA IGREJA

O que caracteriza uma criança? Sabemos de algumas de suas características: a alegria, a espontaneidade, a sinceridade. Mas também a criança muitas vezes é irresponsável em seus atos precisando ser dirigida e orientada por um adulto. A criança ri das coisas sérias, não tem compromisso, é inconseqüente em suas atitudes. Nem sempre tem uma opinião coerente; às vezes, sua voz se junta a de outras para fazer coro, para apoiar ou vaiar, conforme seu estado de espírito no momento, ou simplesmente ir contra alguém porque não gosta dessa pessoa. Atualmente, a igreja cristã tem se caracterizado por uma infantilidade que chega às raias do absurdo. Isso acontece quando vemos igrejas que se desfazem por que como "meninos agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina (Efésios 4:14)", não são firmes em suas convicções, e qualquer sopro as faz cair. São as igrejas que correm atrás de modismos que fazem sucesso, mas derrubam. Igrejas têm sido irresponsáveis em sua atitude de julgar e condenar sem nem ao menos procurar entender. Criticam e ficam "magoados" quando são criticados, mas extasiam-se com os aplausos e muitos "amiguinhos" que vieram para brincar de igreja. São inconseqüentes em suas atitudes a ponto de deixarem de lado os feridos de alma em campo de batalha, abandonando-os à sua própria "sorte". O autor de Hebreus nos exorta ao dizer que no tempo em que deveríamos estar ensinando outros, necessitamos que alguém nos ensine "quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus (Hebreus 5:12). E completa dizendo: "Todo aquele que se alimenta de leite é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança". (verso 13). Quando nossa palavra como Igreja não tem a firmeza necessária para se for o caso, morrer pela palavra empenhada, nos fazemos iguais às crianças em que não há constância no seu querer e no seu falar. Ser uma igreja espiritualmente amadurecida e adulta leva tempo; talvez até o mesmo tempo que uma criança leva para crescer e deixar de ser criança. Nós temos que reconhecer que algumas coisas não devem ter mais lugar entre o povo de Deus, como ciúmes, contendas, brigas, mágoas, sentimentos feridos, porque como adultos, deveríamos aprender o valor de uma correção feita em amor. Que o Senhor Deus conceda a cada um de nós a sabedoria necessária para aprendermos a discernir não só o bem, mas também o mal que tem assolado nossas igrejas. Que sejamos ajuizados buscando ter na pessoa de Cristo Jesus nosso alvo, nosso exemplo maior, e desenvolvendo a cada dia, nossas vidas, rumando em direção ao conhecimento perfeito de Deus, o Pai. Que não mais sejamos comparados com as coisas negativas que caracterizam uma criança, mas sim, com aquilo que ela tem de melhor: sua pureza, sua alegria e o desejo ardente de agradar ao Pai. Ilkiss Lima Wilhelms

KLEBER LUCAS: "NINGUÉM PRECISA CRER IGUAL".

Kléber Lucas diz no Encontro que ninguém precisa “crer igual” Discurso do programa é que Deus criou todas as religiões “Todas as r...