O que vem a sua mente quando você olha para uma Cruz?

Os efeitos da cruz.
I Corintios 1:18 a 25


O que vem a sua mente quando você olha para uma cruz?

A cruz passa duas realidades?
1- vida
2- morte

Todas as religiões têm seu símbolo visual, que exem­plifica um aspecto importante de sua história ou crenças. O budismo emprega a flor de loto, Por causa de sua forma de roda, pensa-se que represente o círculo do nascimento e da morte.

O judaísmo moderno, emprega o assim chamado Escudo ou Estrela de Davi, um hexagrama formado pela combinação de dois triângulos. O Escudo fala da aliança de Deus com Davi de que o trono deste seria estabelecido para sempre e que o Messias viria da sua descendência.

O islã, a outra fé monoteísta que se le­vantou no Oriente Médio, é simbolizado pelo crescente ou meia-lua, pelo menos na Ásia Ocidental. Originalmente o crescente represen­tava uma fase da lua e era o símbolo de soberania em Bizâncio antes da conquista muçulmana.


O Cristianismo, portanto, não é exceção quanto a possuir um sím­bolo visual. Todavia, a cruz não foi o primeiro. em particular, de um peixe. Somente os iniciados saberiam, e ninguém mais poderia adivinhar que ichthys ("peixe") era o acrônimo de Iesus Christos Theou Huios Soter ("Jesus Cristo Filho de Deus Salvador"). Mas o peixe não permaneceu como símbolo cristão, sem dúvida porque a associação entre Jesus e o peixe era meramente acronímica (uma disposição fortuita de letras) e não possuía nenhuma importância visual.



Os gregos e os romanos se apossaram da crucificação que, aparen­temente, fora inventada pelos "bárbaros" que viviam à margem do mundo conhecido. E ela, com toda a probabilidade, o método mais cruel de execução jamais praticado, pois deliberadamente atrasa a morte até que a máxima tortura seja infligida. Antes de morrer, a vítima podia sofrer durante dias. Ao adotarem a crucificação, os ro­manos a reservaram para assassinos, rebeldes, ladrões,

Cícero, num de seus discursos, con­denou-a como crudelissimum taeterrimumque supplicium, "um castigo muitíssimo cruel e repugnante".11 Um pouco mais tarde ele declarou: "Atar um cidadão romano é crime, chicoteá-lo é abominação, matá­-lo é quase um ato de assassínio: crucificá-lo é — o quê? Não há palavras que possam descrever ato tão horrível".12 Cícero foi ainda mais explícito em 63 a.C. em sua defesa bem-sucedida do idoso se­nador Gaio Rabírio, que havia sido acusado de homicídio: "a própria palavra cruz deve ser removida para longe não apenas da pessoa do cidadão romano, mas também de seus pensamentos, olhos e ouvidos. Pois não é somente a ocorrência destas coisas (os procedimentos da crucificação) ou a capacidade de suportá-las, mas a possibilidade de­las, a expectativa, deveras, a mera menção delas, que é indigna de um cidadão romano e de um homem livre".13
Se os romanos viam com horror a crucificação, da mesma forma viam-na os judeus, embora por motivos diferentes.

Certamente a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas
Para os que creem a cruz trás algum beneficios:


1- na cruz o pecado é tirado Hebreus 9:26 a 28

2- na cruz a ira de Deus é findada Romanos 5:9

3- na cruz a maldição é anulada galatas 3:14 e 15

4 na cruz o poder de satanas é dominado Hebreus 2:14

A cruz para Cristo Jesus foi um peso absurdo, mas para nós o maior presente que o Pai poderia ter dado a humanidade. amém




Baseado no livro a Cruz de Cristo de John Stott
Rev. Marcio Gleison
Utinga Bahia

Comentários

  1. Ótimo post, pastor e ótimo livro também - A Cruz de Cristo de John Stott. Lembro que quando o li pela primeira vez, apesar do conhecimento das Escrituras que já tinha, me faltava o discernimento e maturidade adequados para processar melhor as verdades contidas nele.
    Agora, ao relê-lo, vejo com outros olhos e perspectiva o que o autor quis dizer ao escrevê-lo.
    Toda glória seja dada ao Pai, que por meio de Seu Filho, Jesus Cristo, proveu para nós tão grande salvação!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

EM PATOS PB: IPB VIROU FOGUEIRA EM NOITE DE SÃO JOÃO.

PODE O CRENTE DIVORCIAR E CASAR DE NOVO?

Grande Descoberta Arqueólogica, por Rabino Marcos Barreto